Mundo

Desemprego no Reino Unido cai para o nível mais baixo desde 1974

A taxa de desemprego do Reino Unido foi de 3,6% nos três meses até julho, ante 3,8% no período de três meses anterior

Economistas consultados pelo The Wall Street Journal esperavam que a taxa de desemprego aumentasse para 3,9% (AFP/AFP)

Economistas consultados pelo The Wall Street Journal esperavam que a taxa de desemprego aumentasse para 3,9% (AFP/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 13 de setembro de 2022 às 15h03.

A taxa de desemprego do Reino Unido caiu para seu nível mais baixo desde 1974 nos três meses até julho. Além disso, o crescimento dos salários acelerou, um sinal de que o mercado de trabalho do país permaneceu apertado, apesar de alguma redução na demanda por mão de obra.

A taxa de desemprego do Reino Unido foi de 3,6% nos três meses até julho, ante 3,8% no período de três meses anterior, segundo dados do Escritório de Estatísticas Nacionais divulgados nesta terça-feira. Economistas consultados pelo The Wall Street Journal esperavam que a taxa de desemprego aumentasse para 3,9%.

A queda do desemprego veio com o aumento da taxa de inatividade, que subiu 0,4 ponto porcentual para 21,7%. O aumento da inatividade econômica em relação ao trimestre anterior foi impulsionado por estudantes e doentes de longa duração, que atingiu um recorde.

O emprego aumentou ainda mais em agosto. O número de empregados com folha de pagamento aumentou 71 mil no mês, cifra praticamente inalterada em relação ao aumento de 77 mil registrado em julho.

(FONTE: DOW JONES NEWSWIRES)

LEIA TAMBÉM:

PIB do Reino Unido tem leve alta em julho

Rei Charles III discursa no Parlamento britânico pela primeira vez como rei

Acompanhe tudo sobre:Desempregoeconomia-internacionalReino Unido

Mais de Mundo

Palco desaba em comício de candidato à presidência do México e deixa nove mortos e 50 feridos

Por que as turbulências tem sido mais frequentes? Resposta pode estar nas mudanças climáticas

EUA rejeitam anúncio de europeus: Estado Palestino deve ocorrer por 'negociações diretas'

Mais na Exame