Mundo

Como os negócios com petróleo viraram poço de corrupção na Venezuela

Produção venezuelana, que ultrapassava os 3 milhões de barris diários há 15 anos, despencou para cerca de 800.000

Tareck El Aissami, ex-ministro do Petróleo da Venezuela, ao ser preso em Caracas em 9 de abril  (Governo da Venezuela/Divulgação)

Tareck El Aissami, ex-ministro do Petróleo da Venezuela, ao ser preso em Caracas em 9 de abril (Governo da Venezuela/Divulgação)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 27 de abril de 2024 às 06h01.

Politização, negócios escusos, malversação de fundos, auditorias maquiadas: a corrupção na indústria petroleira da Venezuela é um monstro que devorou bilhões de dólares nos últimos 20 anos.

A imagem do ex-ministro do Petróleo Tareck El Aissami algemado é o exemplo mais recente da corrupção na estatal Petróleos de Venezuela (Pdvsa): o desvio de receitas pela venda de petróleo por meio de criptoativos, em um mecanismo fracassado idealizado para driblar as sanções dos Estados Unidos.

O rombo nesse caso chega a quase 17 bilhões de dólares, estima a ONG Transparência Venezuela, e já há cerca de 60 presos, incluindo El Aissami, colaborador próximo do presidente Nicolás Maduro, de quem chegou a ser vice-presidente, e de seu antecessor, Hugo Chávez (1999-2013).

Não é um caso isolado. Rafael Ramírez, ministro de Petróleo entre 2002 e 2014 e ex-presidente da Pdvsa de 2004 a 2014, é fugitivo na Itália, enquanto Eulogio del Pino e Nelson Martínez, que também ocuparam esses dois cargos, foram presos. Martínez morreu na prisão.

Maduro designou El Aissami ministro do Petróleo em 2020 para "reestruturar" a Pdvsa e limpá-la após as acusações contra Ramírez, mas acabou preso por uma das 31 investigações vinculadas à indústria petroleira realizadas pelo Ministério Público desde 2017. Desde então, já foram efetuadas 308 prisões.

A produção venezuelana de petróleo, que ultrapassava os 3 milhões de barris diários há 15 anos, despencou para os cerca de 800.000 atuais.

"Infelizmente a Pdvsa foi durante muito tempo a mãe da corrupção, porque era a único entidade no país que gerava divisas e gerava muitos dólares... era a grande exportadora", disse à AFP Mercedes de Freitas, diretora-executiva da Transparência Venezuela.

A Venezuela está entre os quatro países mais corruptos do mundo ao lado do Sudão do Sul, Síria e Somália, segundo o Índice de Percepção da Corrupção (IPC) da Transparência Internacional.

A corrupção na Pdvsa tem sido onipresente: desde o roubo de televisões, computadores e até mesmo retirar veículos oficiais para passeios até subornos milionários e contratos inflacionados.

Maduro, que está buscando a reeleição em 28 de julho, propôs reformar a Constituição para aumentar a pena máxima de prisão de 30 anos para prisão perpétua e aplicá-la a crimes de corrupção. "Temos que ser implacáveis, seja quem for que caia", disse ele após a prisão de El Aissami.

Pedro Tellechea, responsável pela Pdvsa desde janeiro de 2023 e ministro do petróleo após a renúncia de El Aissami, diz que um dos pilares de sua administração é "limpar" o setor com auditorias e até mesmo câmeras para monitorar as negociações de petróleo bruto.

Ele disse em uma reunião com jornalistas que "nenhum dinheiro é pedido" aos empresários e "todos os desvios que encontramos em uma auditoria vão diretamente para o Ministério Público".

Acompanhe tudo sobre:VenezuelaPetróleoNicolás Maduro

Mais de Mundo

Amsterdã remove das ruas câmeras chinesas de vigilância por risco de espionagem

Aviões movidos a energia solar começam a virar realidade e ganham os céus

Presidente eleita do México propõe reforma judicial; peso já caiu 8% desde eleição

Maduro se diz 'pronto' para reconhecer resultados da eleição na Venezuela

Mais na Exame