Acompanhe:

A China intensificará esforços para estabilizar o desempenho do comércio exterior e melhorar a estrutura do comércio por meio de um conjunto de medidas políticas, disseram autoridades do governo em uma coletiva de imprensa no domingo, 23.

Especialistas disseram que o país espera revitalizar ainda mais as empresas do setor de comércio exterior, enquanto fortalece a cooperação comercial com economias desenvolvidas e emergentes, em meio a fatores negativos, como o aumento do protecionismo e o enfraquecimento da demanda global.

Esses esforços expandiram e atualizarão o comércio da China e também serão propícios à recuperação econômica global, disseram eles.

Wang Shouwen, vice-ministro do comércio e representante de comércio internacional da China, disse na coletiva de imprensa que as empresas nacionais envolvidas no comércio exterior enfrentam aumento de riscos comerciais, pressão para melhorar a lucratividade e inconvenientes na participação em feiras de comércio exterior, embora a incerteza na demanda externa permaneça o maior problema.

“Vamos tentar criar mais oportunidades comerciais”, disse ele, acrescentando que, para isso, o país irá amplamente retomar as feiras de comércio offline, melhorar a eficiência do processamento de pedidos de cartão de viagem de negócios da Apec e facilitar a retomada ordenada de voos internacionais de passageiros.

Wang disse que o país estabilizará o comércio exterior em produtos-chave, como automóveis, garantirá o desenvolvimento das empresas de comércio exterior e aprimorará os formatos e o ambiente para o comércio exterior.

Redes globais

As medidas-chave incluirão ajudar as montadoras a estabelecer e aprimorar suas redes globais de marketing e serviço, garantir financiamento para projetos de equipamentos de grande escala e acelerar a revisão do catálogo de tecnologias e produtos encorajados para importação.

Elas também incluirão incentivar os bancos a atender melhor à demanda de financiamento das pequenas e médias empresas de comércio exterior, orientar as empresas que estão envolvidas no processamento comercial para se mudarem para as regiões central, oeste e nordeste do país e apoiar a Área da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau no desenvolvimento do comércio digital.

Wu Haiping, diretor-geral do departamento de operações gerais da Administração Geral das Alfândegas, disse que, para enfrentar as dificuldades e gargalos enfrentados pelas empresas de comércio exterior, a autoridade alfandegária se concentrará na melhoria da facilitação comercial, na otimização da logística de importação e exportação, no aprimoramento do ambiente de negócios nos portos, na redução das cargas de custo das empresas e no apoio ao desenvolvimento de novos formatos de comércio exterior.

“Vamos enriquecer, ajustar e melhorar continuamente medidas relevantes e explorar novas iniciativas de suporte ao comércio exterior da China neste ano”, disse ele, acrescentando que 90 mil empresas se registraram no primeiro trimestre do ano para se envolver em atividades de importação e exportação, um aumento de 59,8% ano a ano.

Alto custo

Segundo Zhou Maohua, analista do Banco China Everbright, as empresas de comércio exterior, especialmente as pequenas e médias, ainda enfrentam altos custos para matérias-primas, dificuldades para obter financiamento, flutuações no mercado global de câmbio e incertezas na demanda externa.

“A China possui um sistema industrial completo e cadeias de abastecimento resilientes, e o setor de comércio exterior do país ganhou força nos últimos anos devido a melhorias contínuas nos produtos e na estrutura comercial, crescente diversificação de parceiros comerciais e desenvolvimento de modelos de negócios, incluindo o comércio eletrônico transfronteiriço”, disse Zhou.

“Mas espera-se que as autoridades adotem mais ações para aliviar os encargos das empresas e incentivá-las a fortalecer a pesquisa de novos produtos, enquanto diversificam as fontes de importação e os destinos de exportação”, acrescentou.

Segundo Ning Jizhe, vice-presidente do Centro de Intercâmbio Econômico Internacional da China, o país deve tomar mais medidas para estabilizar as exportações para importantes parceiros comerciais, incluindo a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), a União Europeia (UE), os Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul.

Ao mesmo tempo, o país deve explorar ainda mais o potencial de novos mercados em economias participantes da Iniciativa do Cinturão e Rota, bem como em economias do Oriente Médio, África e América Latina, disse ele.

Enric Tria, diretor administrativo da Taurus Group na Europa, fabricante espanhola de eletrodomésticos, disse que os produtos chineses são conhecidos por sua acessibilidade, qualidade e versatilidade, tornando-os uma escolha popular para empresas de todo o mundo que procuram peças, componentes e produtos acabados.

Ansiosos para vender mais produtos para outras partes do mundo, fabricantes domésticos, especialmente aqueles dos hubs de manufatura e exportação, como as províncias de Zhejiang, Jiangsu, Shandong, Fujian e Sichuan, têm se apressado para adicionar valor técnico aos seus produtos e participar de feiras de comércio em larga escala em mercados domésticos e globais.

Retomada

Com a retomada completa das atividades no local, a segunda fase da 133ª Feira de Importação e Exportação da China, também conhecida como Feira de Cantão, atraiu quase 12 mil empresas – 3,8 mil a mais do que o nível pré-pandêmico em 2019. A feira foi aberta em 15 de abril e vai até 5 de maio.

A segunda fase da feira, que será realizada de domingo a quinta-feira em Guangzhou, província de Guangdong, tem uma área total de exposição de 505 mil metros quadrados e mais de 24 mil estandes apresentando bens de consumo diário, presentes e decorações para o lar.

“Na Feira de Cantão, nossa expectativa obviamente é procurar por novos produtos e ver o que os principais parceiros e fornecedores nos apresentam”, disse Tria, da Taurus Group. “Estamos principalmente procurando por quaisquer tipos de produtos relacionados a pequenos aparelhos domésticos”.

Chen Dexing, presidente da Wenzhou Kanger Crystallite Utensils Co, fabricante de vidro e cerâmica em Wenzhou, província de Zhejiang, disse que a produção da empresa no primeiro trimestre deste ano foi aproximadamente a metade do total do ano passado, devido a pedidos aumentados de países desenvolvidos.

O comércio exterior da China cresceu 4,8% em relação ao ano anterior, para 9,89 trilhões de iuanes (US$ 1,44 trilhão) no primeiro trimestre de 2023, de acordo com dados da Administração Geral das Alfândegas do país.

Zhou, o analista do China Everbright Bank, previu que as exportações do país provavelmente crescerão de 6% a 8% em relação ao ano anterior durante o primeiro semestre de 2023, enquanto o crescimento das importações provavelmente será de cerca de 0,3% a 0,7%.


Tradução: Mei Zhen Li
Fonte: Gov.cn

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Reino Unido elege dois legisladores da oposição em eleições especiais, em golpe duplo a Sunak
Mundo

Reino Unido elege dois legisladores da oposição em eleições especiais, em golpe duplo a Sunak

Há 5 horas

Polícia de Putin prende 40 manifestantes por homenagens a Navalni na Rússia
Mundo

Polícia de Putin prende 40 manifestantes por homenagens a Navalni na Rússia

Há 6 horas

Trump é multado em US$ 355 milhões por fraude fiscal e banido de fazer negócios em NY
Mundo

Trump é multado em US$ 355 milhões por fraude fiscal e banido de fazer negócios em NY

Há 7 horas

Deputados dos EUA retiram poder de Biden para congelar licenças de projetos de gás natural
Mundo

Deputados dos EUA retiram poder de Biden para congelar licenças de projetos de gás natural

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais