Possível viagem de Pelosi a Taiwan violaria soberania de Pequim, diz China

Porta-voz do ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian afirmou que a viagem violaria a "soberania e integridade territorial"
Nancy Pelosi, viajará a Taiwan, revelada pelo jornal Financial Times. (Tasos Katopodis/Getty Images)
Nancy Pelosi, viajará a Taiwan, revelada pelo jornal Financial Times. (Tasos Katopodis/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 19/07/2022 às 13:49.

Última atualização em 02/08/2022 às 11:58.

A China reagiu com veemente oposição nesta terça-feira, 19, à notícia de que a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, viajará a Taiwan, revelada pelo jornal Financial Times. Porta-voz do ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian afirmou que a viagem violaria a "soberania e integridade territorial" do gigante asiático, além de prejudicar as relações sino-americanas e enviar um sinal "errado" ao que chama de "forças separatistas" da ilha. "A China se opõe firmemente a isso", disse, durante coletiva de imprensa.

Zhao Lijian reforçou pedido de Pequim para que Washington não organize a visita, cesse as comunicações com Taiwan e "pare de criar tensões" na região. "Se os EUA insistirem em seguir seu próprio caminho, a China tomará medidas resolutas e contundentes para salvaguardar firmemente a soberania nacional e a integridade territorial", ameaçou, acrescentando que a responsabilidade da resposta recairia aos EUA.

Taiwan é governado de maneira independente desde o final da guerra civil chinesa, no fim da década de 1940, mas a China reivindica a soberania total do território, cuja independência não é formalmente reconhecida pela maior parte da comunidade internacional.

Veja também:

Rishi Sunak avança na disputa para designar primeiro-ministro britânico]

Presidentes do Irã, Rússia e Turquia se reúnem em Teerã para falar sobre guerras