Mundo

China aumenta investimentos na Alemanha com foco em energias renováveis

O número de projetos de investimento chineses na Alemanha atingiu 200 em 2023, um aumento de 42% em relação ao ano anterior, alcançando o valor mais alto desde 2017

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 21 de maio de 2024 às 16h40.

Última atualização em 21 de maio de 2024 às 16h40.

O interesse chinês em investir na Alemanha aumentou significativamente no ano passado, com destaque para o setor de energias renováveis, de acordo com um relatório da agência de promoção econômica do país europeu.

O número de projetos de investimento chineses na Alemanha atingiu 200 em 2023, um aumento de 42% em relação ao ano anterior, alcançando o valor mais alto desde 2017, segundo o relatório anual da Germany Trade & Invest sobre investimento direto estrangeiro no país, publicado em 15 de maio.

As empresas chinesas ficaram em terceiro lugar em termos de número de projetos de investimento na Alemanha, atrás dos Estados Unidos, com 235, e da Suíça, com 202.

“Há muitos anos, a China é uma das fontes mais importantes de investimento estrangeiro para a Alemanha”, disse Thomas Bozoyan, autor do relatório, ao Yicai. “Após o fim da pandemia de Covid-19, as empresas chinesas estão aumentando significativamente sua participação global novamente.

“A Alemanha está se beneficiando disso, pois muitos projetos que estavam sendo planejados anteriormente não puderam ser realizados devido às restrições de viagem”, afirmou. “Agora, esses investimentos estão sendo retomados.”

Houve um aumento acentuado nos investimentos de empresas chinesas no setor de energia renovável, representando 20,5% do total de projetos, mais de três vezes o número de 2022, mostrou o relatório.

O setor de fabricação de máquinas representou 14,5% dos projetos chineses, um aumento de 52%, enquanto os produtos eletrônicos somaram 11,5%, o dobro de 2022, de acordo com o relatório.

As áreas mais proeminentes de atuação das empresas chinesas foram marketing e vendas, representando 45% do total. Pesquisa, desenvolvimento e produção somaram 22%, enquanto o estabelecimento de sedes europeias representou 12%.

“Os investimentos das empresas chinesas abrangem uma ampla gama de indústrias, indicando a extensão dos investimentos corporativos chineses”, disse Bozoyan. “A economia da Alemanha também oferece uma variedade diversificada de indústrias para esses investimentos. Atualmente, a Alemanha está passando por uma transição para alcançar a neutralidade climática até 2045.”

Nos últimos meses, houve visitas à China por figuras políticas de alto nível da Alemanha, incluindo o chanceler Olaf Scholz e o governador da Baviera, Markus Söder. Planos para fortalecer a cooperação econômica e comercial com a China foram um dos principais tópicos discutidos.

Apesar das discussões na Europa sobre “reduzir riscos” na relação com a China, o comércio do país asiático com a Alemanha continua crescendo fortemente. De acordo com um relatório do Instituto Alemão de Pesquisa Econômica, o investimento direto da Alemanha na China atingiu um recorde de 11,9 bilhões de euros (US$ 12,9 bilhões) em 2023, um aumento de 4,3% em relação ao ano anterior.

O investimento alemão na China no ano passado representou 10,3% do total de investimentos no exterior do país, alcançando o nível mais alto desde 2014. Segundo dados do Escritório Federal de Estatísticas da Alemanha, o comércio bilateral atingiu 253,1 bilhões de euros (US$ 274,4 bilhões) em 2023. A China é o maior parceiro comercial da Alemanha há oito anos consecutivos desde 2016.

Tradução: Mei Zhen Li
Fonte: Yicai Global

Acompanhe tudo sobre:ChinaAlemanha

Mais de Mundo

Presidente eleita do México promete 'ampla' discussão de reforma do Judiciário

Companhia aérea de Singapura oferece US$ 10 mil aos feridos por turbulência em voo

Hamas aceitar cessar-fogo na Faixa de Gaza, diz Reuters

Mais na Exame