Mundo

Na América Latina, mulheres ganham 16% a menos que homens

Segundo a Cepal, dado mostra que "as diferenças salariais de gênero persistem como obstáculo para a autonomia econômica das mulheres"


	Mulher: segundo a Cepal, diferença salarial entre homens e mulheres caiu 12,1% entre 1990 e 2014.
 (PhotoRack)

Mulher: segundo a Cepal, diferença salarial entre homens e mulheres caiu 12,1% entre 1990 e 2014. (PhotoRack)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de março de 2016 às 20h55.

As mulheres ganham 83,9 unidades monetárias por cada 100 unidades recebidas pelos homens, o que representa 16% a menos, um obstáculo que se mantém para a autonomia econômica feminina na América Latina, apontou nesta terça-feira um comunicado da Cepal.

Esses 16% evidenciam que "as diferenças salariais de gênero persistem como obstáculo para a autonomia econômica das mulheres e a superação da pobreza e da desigualdade na região", segundo dados do Observatório de Igualdade de Gênero da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) no Dia Internacional da Mulher.

"Receber o mesmo salário que os homens em igualdade de condições é um direito das mulheres. É um requisito inevitável para que elas tenham sua autonomia econômica e para avançar na igualdade de gênero", afirmou Alicia Bárcena, secretária-executiva da Cepal, em comunicado.

De acordo com a Cepal, a diferença salarial entre homens e mulheres caiu 12,1% entre 1990 e 2014.

Comparando-se as remunerações recebidas por ambos os sexos de acordo com os anos de estudo, uma mulher pode receber até 25,6% menos que um homem, o que acontece nos níveis educacionais mais altos (13 anos ou mais de instrução).

"Isso significa que o investimento em educação e capacitação profissional das mulheres não nos aproxima de forma linear dos salários dos homens com a mesma formação", indicou a Cepal.

Para reduzir a diferença salarial de gênero, a Cepal pretende promover espaços para a negociação coletiva, melhorar os salários mínimos, implementar políticas que permitam maior corresponsabilidade em trabalhos de cuidado de pessoas dependentes e garantir igualdade de oportunidades de capacitação, promoções, horas extras e outros compromissos trabalhistas que aumentam a massa salarial.

Os dados de Cepal se baseiam em uma análise sobre o salário médio de mulheres e homens de 20 a 49 anos que vivem em zonas urbanas e trabalham 35 horas ou mais por semana em 18 países da região.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaCepalMercado de trabalhoMulheresSalários

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame