Bloomberg desembolsa US$ 18 mi e supera Trump com anúncios no Google

O candidato à vaga democrata para a corrida pela Presidência também lidera os anúncios na televisão e já desembolsou US$ 204 milhões

Nova York — O ex-prefeito de Nova York e pré-candidato às primárias do Partido Democrata para a residência dos Estados Unidos, Michael Bloomberg, lidera de forma isolada os gastos com anúncios no Google.

Uma análise da consultora Acronym mostra que a campanha de Bloomberg já investiu S$ 18 milhões nas plataformas de propaganda do Google, superando inclusive o atual presidente do país e candidato à reeleição, Donald Trump, que investiu US$ 12 milhões.

Um dos últimos a anunciar a pré-candidatura entre os democratas, Bloomberg, que não participará do caucus de Iowa, o primeiro das primárias do partido, também lidera os anúncios na televisão e já desembolsou US$ 204 milhões, de acordo com a emissora "CNBC".

A corrida pela Casa Branca está engordando as receitas dos principais canais da TV americana, que reajustaram os custos dos anúncios em 45%. Em anos eleitorais anteriores, os valores subiram, em média, 22%.

No que diz respeito a Facebook e Google juntos, Bloomberg, cuja fortuna está avaliada em US$ 59 bilhões, gastou entre US$ 25 e US$ 30 milhões no total, valores que a campanha de Trump supera, devido, sobretudo, à presença do presidente na rede social fundada por Mark Zuckerberg - só nela foram investidos US$ 20 milhões.

Bloomberg também deixa para trás no Facebook o outro bilionário candidato nas primárias democratas, Tom Steyer, que já desembolsou US$ 18 milhões em publicidade na rede social com mais usuários no mundo.

A previsão é que o ex-prefeito de Nova York gaste mais de US$ 100 milhões somente em anúncios digitais. Não há, por enquanto, projeção para o investimento em propagandas na TV.

Segundo as pesquisas realizadas nacionalmente, apesar da intensa campanha publicitária, Bloomberg está na quinta posição entre os democratas, atrás do ex-vice-presidente Joe Biden, dos senadores Bernie Sanders e Elizabeth Warren, e do ex-prefeito de South Bend Pete Buttigieg.

A previsão é que Bloomberg entre formalmente na corrida eleitoral depois das primárias de Iowa, New Hampshire, Nevada e Carolina do Sul. Recentemente, ele pediu ao partido para repensar o calendário do processo de escolha do partido para refletir melhor a diversidade do eleitorado democrata.

Para ele, não faz sentido gastar tanto tempo ou recursos em estados "não decisivos", como Iowa e New Hampshire, em vez de focar nos chamados "swing states", os estados "indecisos" que a cada pleito alternam na preferência entre os candidatos republicanos e democratas, considerados chaves para as eleições presidenciais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.