Mundo

Biden e Trump fazem 1º debate hoje: o que dizem as casas de aposta?

Diferente das pesquisas eleitorais, candidato republicano desponta como favorito nas plataformas

Eleições EUA: As pesquisas têm se mostrado bastante equilibradas, apontando praticamente um empate técnico entre os dois candidatos (AFP)

Eleições EUA: As pesquisas têm se mostrado bastante equilibradas, apontando praticamente um empate técnico entre os dois candidatos (AFP)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 27 de junho de 2024 às 15h20.

Tudo sobreEleições EUA 2024
Saiba mais

O atual presidente Joe Biden e seu antecessor Donald Trump realizam nesta quinta-feira, 27, na CNN, o primeiro debate antes das eleições de novembro nos Estados Unidos. O debate vai ter 90 minutos de duração e será transmitido pela CNN Brasil ao vivo direto dos estúdios da CNN em Atlanta. Ele será mediado pelos jornalistas Jake Tapper e Dana Bash, âncoras do canal.

Como assistir ao debate entre Trump e Biden? Que horas começa? Veja respostas

As pesquisas têm se mostrado bastante equilibradas, apontando praticamente um empate técnico entre os dois candidatos, com 44% de votos para cada um dos lados de acordo com o instituto de pesquisa Morning Consult. 8% dos entrevistados afirmaram que devem votar em uma terceira via, enquanto 4% não souberam responder ou não quiseram opinar. De acordo com a Beacon Research/Shaw & Company Research, da Fox News, Biden aparece ligeiramente na frente com 50%, seguido de perto por Trump, com 48%. Já a IPSOS/Reuters, mostra Trump em primeiro com 41%, com Biden logo atrás, com 39%.

Nas principais plataformas de apostas esportivas, Donald Trump aparece em primeiro em todas as odds disponíveis, apesar da vantagem também não ser tão grande em relação ao seu opositor, Joe Biden.

Na plataformas Esportes da Sorte e Casa de Apostas, Donald Trump aparece com as maiores vantagens, com odd de 1.63, e Biden com 2.75. No galera.bet e Odds&Scouts, a diferença também é considerável, com 1.72 para Trump e 2.50 para Biden. Já na Reals e Onabet a odd de Donald Trump é de 2.00, enquanto de Biden, de 2.20.

Como são calculas as odds políticas?

Mesmo sendo voltadas, em sua maioria, para apostas esportivas, a disputa entre presidentes da República têm despertado o interesse de diversos apostadores. No Brasil, esse advento aconteceu a partir da eleição entre Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva, em 2022, mas nos Estados Unidos, ela já é comum há pelo menos dez anos.

Essas métricas que medem os favoritos, sejam eles para os jogos de futebol, outros esportes e eleições, são chamadas de odds, que nada mais são do que a avaliação das casas de apostas e do mercado em relação à probabilidade de determinado evento acontecer.

"É importante lembrar que as odds são dinâmicas e atualizadas em tempo real. No caso de apostas políticas, as pesquisas eleitorais – que seguem a metodologia científica – são, de maneira geral, o principal indicador de probabilidade. No entanto, em alguns casos, é mais difícil estimar. Nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, por exemplo, o sistema de contagem de votos é diferente, com peso diferente para cada estado. Isso quer dizer que um único estado pode decidir os rumos de uma eleição", explica Ricardo Bianco Rosada é fundador da consultoria brmkt.co que atua nas áreas de Estratégia, Branding, Marketing e Desenvolvimento de Negócios.

"As cotações funcionam exatamente como as tradicionais apostas esportivas: os favoritos acabam possuindo as odds mais baixas. Isso indica que há uma propensão maior desse fato acontecer. Por isso vemos, no cenário atual, algumas cotações bastante altas. Dizem respeito às chamadas "zebras". Essas cotações são geradas a partir de uma série de análises de provedores especializados em apostas, considerando toda a ambiência ao longo do período eleitoral", complementa Hans Schleier, diretor de operações da Casa de Apostas.

Acompanhe tudo sobre:EleiçõeseleiçãoEstados Unidos (EUA)Eleições EUA 2024Eleições americanas

Mais de Mundo

Trump x Harris: casas de aposta dos EUA mostram republicano com 60% de chances de vencer

Milhões de venezuelanos no exterior não poderão votar devido a obstáculos do governo

Nicolás Maduro acusa mídia internacional na Venezuela de ser 'assassina de aluguel'

Eleições Venezuela: após Maduro falar em "banho de sangue", González Urrutia agradece Lula por apoio

Mais na Exame