Mundo

Avião rumava para parte remota do Índico, diz Inmarsat

"Os navios e aeronaves estão agora à procura (do avião) na área correta", afirmou McLaughlin, vice-presidente executivo da operadora de satélites britânica

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de março de 2014 às 17h41.

Nova York - O Boeing 777 da Malaysia Airlines que desapareceu quando fazia o voo MH370 voou por um número de horas "a uma altitude relativamente constante" em direção a uma parte remota do Oceano Índico e então aparentemente caiu na água "na área que está sendo investigada agora", de acordo com o vice-presidente executivo da operadora de satélites britânica Inmarsat, Chris McLaughlin, empresa que realizou as últimas análises sobre o voo.

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira, McLaughlin disse que dados indicam que, depois de a aeronave desaparecer do radar civil e se desviar bruscamente do seu plano de voo autorizado, voou uma rota que tem sido referida por investigadores como "corredor sul", porque as buscas haviam sido divididas em dois corredores (norte e sul).

O executivo reiterou declarações feitas mais cedo pelo primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, de que o avião, com 239 pessoas a bordo, terminou o voo no Oceano Índico sul, a oeste de Perth, na Austrália.

McLaughlin salientou que essa foi a conclusão "inevitável" depois que especialistas examinaram todos os dados disponíveis, incluindo a última posição detectada pelo satélite da Inmarsat, em órbita mais de 22 mil milhas acima da Terra.

Com isso, os esforços de busca podem se concentrar em uma área menor, destacou o executivo. "Os navios e aeronaves estão agora à procura (do avião) na área correta", afirmou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-aviaoBoeing 777Malaysia AirlinesVoo MH370

Mais de Mundo

Netanyahu dissolve gabinete de guerra de Israel

Proposta de Trump para isentar gorjetas de impostos pode custar R$ 1,2 trilhão aos EUA

Ucrânia quer adiar pagamento de dívida bilionária; credores recuam da proposta

Navios chinês e filipino colidem no Mar da China Meridional

Mais na Exame