Acompanhe:

Após Argentina subir juros e desvalorizar câmbio, FMI reafirma apoio ao país

Conselho do Fundo se reúne dia 23 para liberar os desembolsos acertados na quinta e sexta revisões do Programa de Financiamento Ampliado com o governo

Modo escuro

Continua após a publicidade
O país vem sofrendo a pior seca em quase um século, o que trouxe impactos negativos para o setor agropecuário, sua principal fonte de divisas (Bianca Alvarenga/Exame)

O país vem sofrendo a pior seca em quase um século, o que trouxe impactos negativos para o setor agropecuário, sua principal fonte de divisas (Bianca Alvarenga/Exame)

O Fundo Monetário Internacional se manifestou hoje sobre as medidas anunciadas pelo Banco Central da Argentina um dia após a vitória do candidato de extrema direita, Javier Milei, nas prévias das eleições presidenciais de outubro.

"Acolhemos com satisfação as recentes ações políticas das autoridades e o compromisso com o futuro para salvaguardar a estabilidade, reconstruir as reservas e melhorar a ordem fiscal", disse em comunicado a diretora de Comunicações do Fundo, Julie Dozack.

FMI como ajuda econômica à Argentina

No comunicado, Dozack ressaltou que no dia 28 de julho as autoridades argentinas e o corpo técnico do FMI chegaram a um acordo em nível de corpo técnico sobre a quinta e a sexta revisões combinadas do acordo de 30 meses do Programa de Financiamento Ampliado da Argentina.

"Este acordo está sujeito à aprovação do Conselho Executivo do FMI, que deve se reunir em 23 de agosto para liberar os desembolsos acordados", conclui o comunicado.

Após o resultado das prévias, o BC do país decidiu elevar o dólar oficial em 22%, que passa a valer 350 pesos. Segundo fonte do "La Nación", o governo vai travar o câmbio até as eleições de outubro. Além disso, a taxa de juro do país foi elevada em 21 pontos, situando-se em 118% ao ano, o patamar mais alto em 20 anos.

Desvalorização do dólar

Desde que foi anunciada a revisão dos termos do acordo entre o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o governo argentino, no fim de julho, o Banco Central mudou sua postura e começou a desvalorizar diariamente o dólar. A Argentina contratou empréstimo de US$ 44 bilhões com o Fundo, e vem tendo dificuldade de pagá-lo.

O país vem sofrendo a pior seca em quase um século, o que trouxe impactos negativos para o setor agropecuário, sua principal fonte de divisas.

A plataforma econômica de Javier Milei inclui dolarizar o país e fechar o Banco Central, e a notícia de sua vitória nas primeiras assustou os mercados, com a disparada do peso. O BC decidiu então anunciar medidas consideradas duras para tentar conter o alvoroço.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Milei anuncia término com namorada um dia após encontrar Elon Musk
Mundo

Milei anuncia término com namorada um dia após encontrar Elon Musk

Há um dia

Kristalina Georgieva assume como diretora do FMI pela segunda vez
Mundo

Kristalina Georgieva assume como diretora do FMI pela segunda vez

Há 2 dias

Argentina: Inflação sobe 11% em março sobre fevereiro; em 12 meses, acumula 287%
Economia

Argentina: Inflação sobe 11% em março sobre fevereiro; em 12 meses, acumula 287%

Há 2 dias

Milei se reúne com Musk e embaixador diz que foi 'encontro de almas gêmeas'
Mundo

Milei se reúne com Musk e embaixador diz que foi 'encontro de almas gêmeas'

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais