Acompanhe:

América Latina é região mais violenta do planeta, com 39% dos homicídios

Em menos de duas décadas, a região registrou 2,5 milhões de homicídios, desses 75% cometidos com arma de fogo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Venezuela: Caracas está entre as cidades mais violentas, com taxa de homicídio maior do que a média (Roman Camacho/Getty Images)

Venezuela: Caracas está entre as cidades mais violentas, com taxa de homicídio maior do que a média (Roman Camacho/Getty Images)

A
AFP

Publicado em 29 de novembro de 2018 às, 16h38.

Última atualização em 29 de novembro de 2018 às, 16h38.

A região América Latina e Caribe é a mais violenta do planeta, com 39% dos homicídios, enquanto a taxa de roubo é o triplo da média e concentra 41 das 50 metrópoles mais perigosas.

Segundo um estudo do BID realizado em conjunto com o Instituto Igarapé do Brasil, com apenas 9% da população mundial, a região é a única do mundo onde a principal causa externa de morte é o homicídio (52% dos falecimentos). As cidades de Caracas, San Pedro Sula, San Salvador e Acapulco são as mais violentas, com taxas de homicídio de 10 a 20 vezes superiores a média mundial, acima de 80 para 100.000 habitantes.

Os índices de violência não diminuem apesar do desenvolvimento alcançado nos últimos anos. "Neste sentido, a região é uma anomalia", afirma o estudo "Crime e violência, obstáculos para o desenvolvimento das cidades da América Latina e Caribe", do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Entre 2004 e 2014, a maioria dos países experimentou taxas de crescimento econômico anual próximas de 4%, ao mesmo tempo que registrou diminuição da pobreza. Os cidadãos também "estão mais saudáveis e alcançaram um maior nível de estudo".

Mas "os indicadores mais revelantes de incidência criminosa, de vitimização e de percepção de insegurança se mantiveram elevados".

E a pouca confiança nas instituições é outro fator relevante, por isso "é necessário criar instituições eficientes, profissionalizar as polícias e aproximá-las dos cidadãos", ressaltou à AFP Nathalie Alvarado, diretora de Segurança Cidadã do BID.

Enquanto busca soluções, a América Latina se mantém como a região mais violenta do mundo: concentra 39% dos homicídios, contabilizando em menos de duas décadas mais de 2,5 milhões de homicídios, desses 75% cometidos com arma de fogo.

E o futuro não é promissor. Se a situação e a tendência foram mantidas, a taxa de homicídio vai passar de 22 assassinatos para cada 100.000 pessoas em 2017 para 35 em 2030.

A taxa de roubo também é elevada. Para cada 100.000 habitantes, a região registra 321,7 roubos, enquanto a média mundial é de 108.

Triste recorde

A rápida e desordenada urbanização, o estancamento da produtividade nas cidades e o desemprego juvenil são os fatores que estariam por trás deste triste recorde, segundo o BID.

Na região, há 7,1 milhões de jovens desempregados e 15,1 milhões que não estudam nem trabalham. "As análises apontam que um aumento de 1% no desemprego juvenil conduz a um aumento de 0,34 na taxa de homicídio", indica o relatório.

Há ainda "uma banalização" da violência, adverte Lucia Dammert, especialista em temas de segurança da Universidade de Santiago.

Soma-se a isso a presença do crime organizado - expresso em facções de tráfico de drogas, tráfico de pessoas e mineração ilegal -, além do alto uso de armas de fogo, especialmente na América Central.

"Com essa presença de armas, há um aumento no uso da violência para acabar com os problemas cotidianos", explicou Dammert à AFP.

Existe também uma baixa legitimidade da polícia e da justiça. Apenas 20 de cada 100 homicídios resultam em uma condenação, quase metade da taxa global de 43 por 100.

"Temos que criar sistemas que não sejam um obstáculo para a aplicação da justiça, porque é evidente a grande impunidade na América Latina", disse Alvarado.

Essa sensação de impunidade faz com que apenas 45% dos crimes sejam denunciados.

O relatório do BID, apresentado no marco da 10ª semana de Segurança Cidadã realizada em Santiago, no Chile, também alerta para o alto custo da criminalidade na região: 3,5% do seu PIB anual.

Combate ao crime

Para combater o crime, o BID recomenda respostas inovadoras centradas a nível municipal, na antecipação do crime e análise de dados em tempo real.

Fazer baixar os índices de insegurança "não é tarefa fácil, mas estamos vendo nesta semana da Segurança que muitas cidades da América Latina e muitos países baixaram suas taxas de homicídios", notou Alvarado.

"O que precisamos agora é descobrir quais foram os elementos que possibilitaram essas quedas" e assegurar que este conhecimento esteja disponível para toda a região, concluiu.

Últimas Notícias

Ver mais
Províncias argentinas de petróleo e gás ameaçam cortar fornecimento em disputa com Milei
Mundo

Províncias argentinas de petróleo e gás ameaçam cortar fornecimento em disputa com Milei

Há 3 horas

Greve na Torre Eiffel chega ao fim e monumento vai reabrir no domingo
Mundo

Greve na Torre Eiffel chega ao fim e monumento vai reabrir no domingo

Há 4 horas

Eleições nos EUA: 4 pontos de atenção na disputa Trump e Haley nas primárias da Carolina do Sul
Mundo

Eleições nos EUA: 4 pontos de atenção na disputa Trump e Haley nas primárias da Carolina do Sul

Há 5 horas

A economia chinesa em 2024: "Energia positiva" para a economia mundial
Mundo

A economia chinesa em 2024: "Energia positiva" para a economia mundial

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais