Acompanhe:

Aborto se torna tema central em renovação do Congresso americano

Como o voto não é obrigatório nos EUA, muitos eleitores precisam de motivação para votar; para democratas, tema é capaz de mobilizar sua base

Modo escuro

Continua após a publicidade
Protesto nos EUA: aborto se torna tema central em renovação do Congresso americano (Alex Wong/Getty Images)

Protesto nos EUA: aborto se torna tema central em renovação do Congresso americano (Alex Wong/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de novembro de 2022 às, 09h07.

Os americanos vão às urnas nesta terça, 8, para renovar todos os 435 deputados - com mandato de dois anos - e 35 dos 100 senadores, além de 39 governadores e centenas de cargos locais.

As eleições de meio de mandato são sempre um desafio para o presidente americano, eleito dois anos antes. E, desta vez, o roteiro será o mesmo. Os democratas devem perder a maioria na Câmara e no Senado, segundo pesquisas. Para tentar evitar um desastre maior, eles apostam em uma arma nada secreta: o aborto.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

O maior problema dos democratas é a baixa popularidade do presidente. Até 26 junho, quando a Suprema Corte dos EUA devolveu aos Estados o direito de legislar sobre o aborto, a popularidade de Joe Biden estava em queda. A decisão da maioria de juízes conservadores, porém, deu aos democratas uma ponta de esperança.

Como o voto não é obrigatório nos EUA, muitos eleitores precisam de motivação para votar. Assim, os democratas viram no aborto um tema capaz de mobilizar sua base e o assunto entrou na campanha de muitos candidatos.

O que mostram as pesquisas?

Pesquisas indicam que 53% dos americanos reprovam o governo de Biden. Por isso, embora o aborto não seja a questão mais importante na mente dos eleitores, ela poderia ser a tábua de salvação do partido na briga por manter a maioria no Congresso.

Segundo pesquisa Gallup, de maio, 27% dos americanos só votariam em um candidato que compartilhasse suas opiniões sobre o aborto. Mas uma sondagem do Pew Research Center, depois da decisão da Suprema Corte, indicou que 57% eram contrários à decisão de deixar o tema por conta dos Estados.

"Nos EUA, onde há uma ênfase histórica na liberdade e nos limites da intromissão do governo na liberdade de religião e de expressão, é difícil defender que o Estado deve se meter em uma decisão pessoal e individual", disse a professora de política e gestão de saúde da Universidade de Michigan, Paula Lantz.

De olho nesses eleitores, os democratas investiram pesado em propaganda sobre o aborto. Eles gastaram US$ 31,9 milhões, quase oito vezes mais do que os republicanos, segundo dados da AdImpact, empresa de rastreamento de mídia.

Michigan

Em alguns Estados, como Michigan, leis do início do século 20 voltaram a vigorar desde a decisão da Suprema Corte. Apesar de a disputa pelo governo estadual estar entre duas mulheres, a democrata Gretchen Whitmer e a republicana Tudor Dixon, os eleitores também votarão em um plebiscito para decidir se a lei de 1931, que proíbe totalmente o aborto, deve ser inserida na Constituição do Estado.

O aborto só era legal no Estado porque a lei de 1931 havia perdido a validade em razão do caso Roe v Wade, decisão da Suprema Corte que tornou o aborto legal em todo o território americano, em 1973. Após a reversão, e sem uma emenda à Constituição estadual, a lei pode voltar a valer e proibir o aborto em quase todos os casos, incluindo estupro.

Jovens

O aborto pode ampliar a participação, principalmente de jovens. "Esta questão levará muitas pessoas às urnas. As previsões em Michigan indicam que haverá uma participação muito alta, tanto de republicanos quanto de democratas", disse Lantz.

Últimas Notícias

Ver mais
IA pode usar mais energia do que toda a Índia até 2030, afirma CEO da Arm
Inteligência Artificial

IA pode usar mais energia do que toda a Índia até 2030, afirma CEO da Arm

Há 5 horas

Venezuela teme efeitos na economia após perda de licença dos EUA
Mundo

Venezuela teme efeitos na economia após perda de licença dos EUA

Há 5 horas

Governo Milei corta programa argentino para prevenir gravidez na adolescência
Mundo

Governo Milei corta programa argentino para prevenir gravidez na adolescência

Há 6 horas

Onde assistir 'Guerra Civil'? Filme com Wagner Moura estreia hoje nos cinemas
Pop

Onde assistir 'Guerra Civil'? Filme com Wagner Moura estreia hoje nos cinemas

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais