UBS pede que Banco Central corte juros em 1 ponto percentual ainda hoje

Segundo o UBS, diante da piora da perspectiva econômica, o BC deveria agir imediatamente

São Paulo — Com o agravamento das perspectivas econômicas globais, reflexo da pandemia de coronavírus Covid-19, e com a decisão do Federal Reserve (Fed), banco central americano, de reduzir os juros a zero ontem, o banco de investimento suíço UBS pede que o Banco Central brasileiro aja imediatamente. O UBS sugere que o Comitê de Política Monetária do BC (Copom) antecipe para hoje a reunião agendada para amanhã e quarta-feira e que corte já a taxa básica de juro Selic em 1 ponto percentual, para 3,25% ao ano.

“Acreditamos que essas medidas justifiquem uma ação mais agressiva e preventiva do Banco Central. Prevemos agora um corte imediato na taxa de 100 pontos-base, levando a Selic para 3,25%”, escreveram os economistas do banco Tony Volpon e Fabio Ramos em relatório enviado a clientes.

Os contratos de juros futuros de curto prazo negociados na B3 estão projetando uma redução da Selic. O que tem vencimento em 1o de abril, segundo mais negociado, está em 3,81%.

Além do corte da Selic, o UBS diz acreditar ainda que outras medidas são necessárias para garantir a liquidez, como a flexibilização das exigências de reservas para os bancos e o anúncio de um programa de intervenção cambial mais estruturado.

“Não vemos motivos para o Banco Central aguardar sua reunião regular do Copom para definição de taxas e acreditamos que seja provável que anuncie essas medidas nesta segunda-feira”, escreveram os economistas do banco suíço.

Os economistas do UBS disseram também que vão monitorar os mercados para atualizar as projeções de crescimento. Por ora, o UBS espera uma queda de 5% no PIB do segundo trimestre e um crescimento de 1,3% no produto interno bruto brasileiro em 2020. “Mas vemos um potencial risco negativo para nossas previsões para o ano inteiro, pois nossas expectativas de uma recuperação de 7,5% no terceiro trimestre podem ser otimistas demais”, escreveram Volpon e Ramos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.