“Uber” de reparos domésticos dobra seu faturamento na pandemia

Com clientes em home office, aplicativo para consertos e manutenções residenciais teve um aumento de mais de 200% na demanda entre abril e agosto

Em 2017, depois de duas tentativas bem-sucedidas de empreender, o empresário Eduardo Basile Quadrado achou que teria bastante tempo para curtir a família em casa, sem as preocupações que rondam o dia a dia de um empreendedor. Até que foi esquentar a mamadeira da filha e percebeu que o micro-ondas havia quebrado. Ligou para a seguradora, ficou em casa aguardando a chegada de um técnico dentro do período combinado e, apesar de ser bem atendido, percebeu que a experiência poderia ter sido melhor com a ajuda da tecnologia. “Eu vi que havia muita intermediação na prestação desse tipo de serviço. E também que ele não era tão prático para quem contratava”, diz Quadrado.

O empresário acionou dois ex-sócios e, juntos, eles criaram a Fix — uma plataforma para consertos, instalações e manutenções residenciais que leva toda a jornada do cliente para dentro do app. Por meio dele, é possível enviar fotos, vídeos ou áudios relacionados ao problema, receber orçamentos de prestadores certificados, agendar e pagar o serviço, que tem garantia de 90 dias.

Salto na demanda

Com mais gente em casa por causa da pandemia, a empresa registrou entre os meses de abril e agosto um aumento de 207% na procura pelos seus serviços em relação ao mesmo período do ano anterior. O faturamento subiu de 490.000 para 1,8 milhão de reais. Entre os serviços mais requisitados estão os de hidráulica (18%), consertos gerais, realizados pelos chamados “maridos de aluguel” (14%), e reparos necessários para a devolução do imóvel alugado (13%). “Essa última situação, em especial, teve grande alta devido à crise econômica”, diz Quadrado.

A pandemia também fez com que a plataforma registrasse, entre março e agosto, um aumento de 51% na procura de profissionais interessados em se tornar um prestador parceiro. “Nossa base cresceu de 4.000 para pouco mais de 7.000 profissionais durante a pandemia”, afirma.

Um erro de percurso

Considerada, em 2019, uma das 100 startups brasileiras mais desejadas pelas empresas de acordo com o ranking da 100 Open Startups, que mede negócios escaláveis, inovadores e, portanto, atrativos para corporações e investidores, a Fix já recebeu 4 milhões de reais de aporte de fundos imobiliários e incorporadoras como a Cyrela. Segundo Quadrado, uma nova rodada de negócios será anunciada nos próximos meses.

Para chamar a atenção dos investidores e garantir o crescimento da plataforma, a Fix precisou corrigir um erro de percurso logo no início de suas operações. Em 2017, focada no modelo B2C, a startup quase viu seu negócio ruir ao perceber que não havia demanda para os mais de 3.000 profissionais certificados pela ela em parceria com o Senai. A saída foi partir para parcerias com outras empresas.

Atualmente, 87,8% dos clientes da Fix são imobiliárias e apenas 7,4% são consumidores finais e construtoras (4,8%). “Essa parceria é bacana porque o inquilino registra o problema, a imobiliária avalia de quem é a responsabilidade, e tanto o reparo quanto o registro do conserto são feitos via plataforma”, destaca Quadrado. “Além disso, o serviço pode ser pago no cartão ou descontado do aluguel do inquilino. No final das contas, todos ganham.”

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.