Acompanhe:
seloMercado imobiliário

Aluguel: com a retomada da economia, menos pessoas tentam reduzir a conta

O índice de renegociação do aluguel de imóveis residenciais e comerciais em São Paulo caiu de 34% no início da pandemia para 4% em agosto

Modo escuro

Continua após a publicidade
Arthur Malcon, do QuintoAndar: plataforma lançou “Negociômetro” para facilitar a negociação direta entre inquilinos e proprietários durante a pandemia (QuintoAndar/Divulgação)

Arthur Malcon, do QuintoAndar: plataforma lançou “Negociômetro” para facilitar a negociação direta entre inquilinos e proprietários durante a pandemia (QuintoAndar/Divulgação)

G
Gabriella Sandoval

Publicado em 3 de setembro de 2020 às, 13h25.

A perda ou a redução de renda causada pela pandemia do coronavírus fez com que muitas famílias não vissem outra saída a não ser renegociar uma das despesas que mais pesam no orçamento: o aluguel. Dados da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (Aabic) mostram que 34% dos imóveis residenciais e comerciais da carteira de locação das administradoras do estado de São Paulo foram renegociados no início da pandemia, em abril. “Com a reabertura das atividades econômicas e a recuperação de renda de muitos locatários, esse percentual caiu para 4% em agosto”, diz Julisa Siqueira Pessoa, diretora de locação da Aabic. Os descontos variam entre 10% e 50% no valor do aluguel.

Vice-presidente do Grupo Graiche e presidente da Aabic, José Roberto Graiche Junior destaca que as renegociações foram feitas, em média, por um período de dois a quatro meses. “Alguns acordos consideraram o pagamento parcelado; outros o desconto puro e simples, sem recuperação futura”, diz. Ele afirma que foram levadas em conta as comprovações de perda ou de redução de renda por parte dos inquilinos.

QuintoAndar: 25 milhões em aluguéis renegociados

Para facilitar as negociações durante a pandemia, a plataforma de venda e locação de imóveis QuintoAndar criou um canal direto entre inquilinos e proprietários. Os descontos, neste caso, vão de 5% a 90% e têm uma duração média de três meses. “Essa é uma forma de chegar a uma solução mais rápida, equilibrada e justa para os dois lados. Se de um lado temos os inquilinos com a renda afetada, de outro temos muitos proprietários para os quais o valor do aluguel representa uma parcela significativa de sua renda”, diz Arthur Malcon, gerente-executivo de estratégia do QuintoAndar.

Segundo ele, o ideal é que o inquilino seja transparente com o proprietário e relate em detalhes os motivos pelos quais precisa renegociar. “Isso demonstra a disposição de manter o contrato em dia”, afirma. Desde que a startup lançou o seu “Negociômetro”, no início da pandemia, mais de 121.000 pessoas foram beneficiadas direta ou indiretamente, considerando inquilinos e seus familiares. Em valores, isso significa R$ 25 milhões em renegociações ou parcelamentos. Para apoiar quem teve dificuldade para pagar o aluguel por causa da crise, o QuintoAndar também passou a oferecer parcelamento no cartão de crédito.

Seguro-fiança

Com a pandemia, o mercado imobiliário teve que lidar com mais um efeito colateral: a inadimplência. De acordo com o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, em julho foram protocoladas no município de São Paulo 1.600 ações relacionadas a locações – um aumento de 24% em relação a junho, e de 13,2% quando comparado ao mesmo período do ano passado.

Para lidar com atrasos nos aluguéis, o mercado oferece garantias como o seguro-fiança, que prevê a cobertura do pagamento mesmo em caso de inadimplência. “Desde o início da pandemia, nos organizamos para buscar as melhores soluções para proprietários, locatários e imobiliárias”, diz Patrícia Garcia Nunes, gerente de sinistros da Too Seguros.

Uma das cinco maiores empresas em emissões de seguro-fiança locatícia do país, a companhia estendeu, durante a pandemia, o parcelamento dos aluguéis em atraso, flexibilizou o prazo de comunicação em casos de sinistros para inadimplências e suspendeu a necessidade de reconhecimento de firma do contrato de locação. “Em tempos de pandemia, contar com uma seguradora que consiga realizar todo o processo – de pagamento da inadimplência à assessoria jurídica – traz tranquilidade e segurança para inquilinos, proprietários e imobiliárias”, afirma Priscila de Cunto Mckenzie, gerente-executiva do canal de corretores da Too Seguros.

Últimas Notícias

Ver mais
Após derrota no Brasileirão, São Paulo demite técnico Thiago Carpini; veja quem assumirá o time
Esporte

Após derrota no Brasileirão, São Paulo demite técnico Thiago Carpini; veja quem assumirá o time

Há 8 horas

Justiça torna réus 19 alvos da Operação Fim da Linha em SP
Brasil

Justiça torna réus 19 alvos da Operação Fim da Linha em SP

Há um dia

Ministro diz que em reunião com Nunes reforçou disposição para ajustes no setor de distribuição
Brasil

Ministro diz que em reunião com Nunes reforçou disposição para ajustes no setor de distribuição

Há um dia

Governo Tarcísio testará uso de IA para atualizar material didático de escolas de SP
Brasil

Governo Tarcísio testará uso de IA para atualizar material didático de escolas de SP

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais