Os melhores e os piores investimentos de janeiro

Entre os destaques dos melhores investimentos estão os fundos cambiais, embalados pela alta do dólar no período
Balanço: Em um ano, o pior investimento foi a poupança, com alta de 4,2% (Gustavo Mellossa/iStock/Getty Images)
Balanço: Em um ano, o pior investimento foi a poupança, com alta de 4,2% (Gustavo Mellossa/iStock/Getty Images)
J
Juliana Elias e Karla Mamona

Publicado em 31/01/2020 às 18:50.

Última atualização em 31/01/2020 às 18:54.

São Paulo - Os fundos de ações de small caps (que são as empresas de menor porte listada na bolsa de valores) foram os investimentos que mais deram retorno no mês de janeiro. No mês, a rentabilidade desses fundos foi de 4,89%. No primeiro mês do ano, índice small caps acumula alta de 1,24%, enquanto o Ibovespa caiu 1,70%.

Quem também teve um destaque positivo no mês foram os fundos cambiais, com alta de 4,68%. Esses fundos foram beneficiados pela alta do dólar, que fechou o mês em alta de 6,80%.

Já entre os destaque negativos dos investimento com o pior retorno está o tesouro IPCA 2045. O título que oferece retorno atrelado à inflação acumula queda 1,64%, no período. As variações dos títulos públicos dizem respeito à sua cotação no momento, que flutua diariamente conforme as expectativas de mercado. Elas valem apenas para aqueles que venderem o título na data atual, antes do prazo de vencimento. Aqueles que segurarem o título até a data final receberá exatamente a remuneração contratada.

Já em 12 meses, o pior desempenho é da poupança, de 4,20%. Vale destacar que o investimento mais tradicional do país está perdendo para inflação desde final do ano passado.

Veja a rentabilidade dos principais investimentos no mês

Investimento Desempenho em janeiro (em %)
Fundos de Ações Small Caps* 4,89
Fundos Cambiais* 4,68
Fundos de Ações Livre* 4,29
Fundos de Ações Investimento no Exterior* 3,7
Fundos Multimercados Investimento no Exterior* 2,48
Fundos de Ações Dividendos* 2,14
Fundos de Renda Fixa Investimento no Exterior* 1,85
Tesouro Prefixado 2023 (LTN) 1,13
Fundos Multimercados Livre* 1,05
Fundos de Ações Indexados* 0,91
Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) 0,58
Fundos Renda Fixa Indexados* 0,53
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2021 (NTN-F) 0,46
Tesouro Selic 2021 (LFT) 0,35
Tesouro Selic 2023 (LFT) 0,35
Fundos Renda Fixa Simples* 0,26
Poupança** 0,26
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTN-B) -0,04
Tesouro IPCA+ 2035 (NTN-B Principal) -0,59
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) -1,54
Tesouro IPCA+ 2045 (NTN-B Principal) -1,64

Referências

Investimento Desempenho em janeiro (em %)
Ibovespa** -1,63
Selic*** 0,34
CDI*** 0,34
IPCA**** 0,35
Dólar comercial** 6,8

Veja a rentabilidade acumulada em 12 meses até janeiro

Investimento Desempenho em 12 meses (em %)
Fundos de Ações Small Caps* 41,80
Fundos de Ações Investimento no Exterior* 41,41
Tesouro IPCA+ 2045 (NTN-B Principal) 37,83
Fundos de Ações Livre* 35,74
Fundos de Ações Dividendos* 26,73
Tesouro IPCA+ 2035 (NTN-B Principal) 25,58
Fundos de Ações Indexados* 23,03
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) 22,51
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTN-B) 20,43
Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) 16,91
Tesouro Prefixado 2023 (LTN) 16,10
Fundos Multimercados Investimento no Exterior* 15,67
Fundos Cambiais* 14,38
Fundos Renda Fixa Indexados* 12,74
Fundos Multimercados Livre* 11,74
Fundos de Renda Fixa Investimento no Exterior* 9,80
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2021 (NTN-F) 9,41
Tesouro Selic 2021 (LFT) 5,76
Tesouro Selic 2023 (LFT) 5,76
Fundos Renda Fixa Simples* 4,80
Poupança** 4,20

Referências

Investimento Desempenho em 12 meses (em %)
Ibovespa 16,3
Selic*** 5,82
CDI*** 5,82
IPCA***** 4,34
Dólar comercial** 17,0

*Até 31 de janeiro, dado mais atual disponível na Anbima
**Até 28 de janeiro
***O desempenho mensal se refere aos últimos 30 dias até a data de fechamento.
****Projeção da versão mais atual do Boletim Focus do Banco Central
*****Refere-se à prévia da inflação oficial do país, o IPCA (IPCA-15)

Fontes: Anbima, BM&FBovespa, Thomson Reuters, Banco Central do Brasil e Tesouro Nacional.

Para todos os investimentos, a orientação é sempre lembrar que a rentabilidade passada não significa garantia de rendimento futuro. Também é importante mencionar que o ranking de investimentos considera a rentabilidade bruta das aplicações no mês e nos últimos 12 meses, sem descontar Imposto de Renda.

Nas aplicações em fundos de ações, há IR de 15%. Nos fundos de curto prazo, a alíquota é de 22,50% para resgates em até 180 dias e de 20% para resgates depois de 180 dias. Nas demais categorias de fundos (longo prazo), a tributação segue tabela regressiva, em que a alíquota varia entre 15% e 22,5%, conforme o prazo de vencimento.

Os títulos públicos também são tributados pela tabela regressiva de IR. A poupança não tem cobrança de Imposto de Renda.