Minhas Finanças

Gastos com aplicativos de delivery crescem 103% de janeiro a junho

Em abril, o crescimento representou 60% em relação a março, e em maio, 40% em comparação com abril

Delivery: gastos com os principais aplicativos de entregas cresceram 103% no primeiro semestre de 2020 (Stella Ribeiro/Divulgação)

Delivery: gastos com os principais aplicativos de entregas cresceram 103% no primeiro semestre de 2020 (Stella Ribeiro/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 16 de julho de 2020 às 19h13.

Última atualização em 16 de julho de 2020 às 20h35.

Uma pesquisa da Mobills, startup de gestão de finanças pessoais, constatou que os gastos com os principais aplicativos de entregas focados no delivery de comida (Rappi, iFood e Uber Eats) cresceram 103% no primeiro semestre de 2020.

Em março, início da quarentena no Brasil, os serviços de delivery tiveram queda de 16,98% em comparação a fevereiro. Em abril, o crescimento representou 60,67% em relação a março, e em maio, 39,58% em comparação com abril. Em junho, o avanço foi mais discreto, mas manteve a tendência de alta, com crescimento de 4,32% em relação a maio.

A Rappi foi o aplicativo que teve maior aumento no tíquete médio. Em maio, o valor médio das transações era de 97,20 reais, o que representa aumento de 92,4% em comparação ao mês de janeiro. Em junho o valor se manteve quase o mesmo, com um tíquete médio de 96,92 reais. A pesquisa analisou dados de mais de 160.000 usuários entre janeiro e junho de 2020.

Acompanhe tudo sobre:AlimentaçãoAlimentoscomida-e-bebidaFast food

Mais de Minhas Finanças

Pix com cartão de crédito: como funciona esta opção e quando é vantajoso usá-la

Receita Federal realiza leilão com iPhone 13 Pro Max 128 GB, Volkswagen Gol e mais

Nubank fora do ar? Aplicativo tem instabilidade e clientes não conseguem completar operações

Lucro do FGTS será distribuído até dia 31 de agosto; veja quem tem direito e quem pode sacar

Mais na Exame