Minhas Finanças

Como investir na poupança do jeito certo

A caderneta pode não render nada dependendo do momento em que o valor for resgatado; entenda como funciona o aniversário da poupança e evite perder rendimentos

Cofre de porquinho (VEJA)

Cofre de porquinho (VEJA)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de setembro de 2014 às 21h08.

Última atualização em 2 de março de 2021 às 17h32.

Por ser um dos investimentos mais simples do mercado, a poupança é a aplicação preferida de muitos brasileiros. Mas, mesmo ao investir na caderneta o investidor precisa entender basicamente seu funcionamento para não deixar de ganhar dinheiro. Apesar de não gerar rendimentos negativos, a poupança pode não render nada, tendo o mesmo efeito de deixar o dinheiro embaixo do colchão.

A rentabilidade da poupança pode ser nula porque os juros são pagos apenas depois de um mês que o dinheiro foi investido, na chamada data de aniversário.

Isso significa que, se você investiu 1.000 reais na poupança no dia 1º de dezembro, o crédito do rendimento será depositado a cada dia 1º dos meses subsequentes, ou no dia útil posterior mais próximo, caso o dia 1º não seja um dia útil. Se o valor for resgatado antes disso, o investidor não ganha nada pelos dias em que o dinheiro ficou aplicado.

Vale a pena sair da poupança?

A inflação é a grande inimiga da poupança e, a depender de seu nível junto ao IPCA, o rendimento da caderneta pode ser tão baixo que você estará perdendo dinheiro. Afinal, perderá o chamado poder de compra: o seu montante perde valor diante da baixa da taxa básica de juros.

Com a Selic em baixa, muitos investidores têm saído da poupança e migrado para outras opções mais rentáveis de investimentos e tão seguras quanto - como, por exemplos, CDBs.

Pensando nisso, a EXAME desenvolveu um quiz inédito de perfil de investidor(a), para que o público possa ter acesso gratuito a relatórios com indicações de investimentos conforme resultados individuais. E, desta forma, identificar se é o momento de sair da poupança e onde investir melhor.

Rentabilidade da poupança

Segundo a Lei nº 12.703, de 2012, que dispõe sobre as regras de remuneração da poupança, a data de aniversário das contas abertas nos dias 29, 30 e 31 é fixada necessariamente no dia 1º do mês seguinte. 

O investidor deve tomar cuidado, portanto, para não resgatar o valor antes da data de aniversário ou antes do dia útil posterior à data de aniversário que não cair em um dia útil.

Para saber o aniversário da sua poupança, é preciso verificar no extrato da sua conta poupança a data em que os recursos foram depositados. Caso o investimento seja feito em diferentes dias, a poupança terá diferentes datas de aniversário e será corrigida separadamente.

Normalmente, os bancos permitem que os aportes na poupança se concentrem em uma conta com datas diferentes. Mas, em alguns casos, o cliente pode precisar criar contas novas a cada aporte. 

Também é importante evitar o resgate antes da data de aniversário porque o cálculo do rendimento da poupança é sempre feito em cima do menor saldo do período. Se o investidor aplicar 1.000 reais, por exemplo, e resgatar 500 reais antes da data de aniversário, o rendimento será calculado sobre os 500 reais e não sobre os 1.000 reais aplicados inicialmente.

Para não deixar de receber seus rendimentos, o melhor a fazer é concentrar as aplicações sempre no mesmo dia do mês. Alguns bancos, inclusive, permitem a programação automática do investimento. Nesse caso, o dinheiro passa a ser debitado da conta corrente e transferido automaticamente à conta poupança na data em que o cliente definir.

Como funciona o resgate da poupança

Como é possível ter uma poupança com diferentes datas de aniversário, em um eventual resgate o valor pode não ser debitado sobre o montante aplicado em uma única data.

Pela regra, os valores serão retirados sempre do primeiro do saldo dos depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (remunerados pela regra nova da poupança) e, em seguida, do saldo de depósitos antigos, efetuados até 3 de maio de 2012 (rentabilizados segundo a regra antiga).

E dentre os resgates de valores remunerados pela nova regra, os débitos vão sendo feitos primeiramente sobre as parcelas que já fizeram aniversário. O sistema desconta, portanto, o valor sobre as datas-base anteriores mais próximas, preservando a rentabilidade das datas-base que não fizeram aniversário.

Se uma pessoa investir na poupança três parcelas de 500 reais nos dias 10, 11 e 16, por exemplo, ao regatar 1.000 reais no dia 12 do mês seguinte, os débitos são feitos sobre os dias 10 e 11, datas-base mais próximas ao dia do resgate. Dessa forma, são resgatadas as parcelas que já fizeram aniversário e permanece investido o montante que ainda não completou um mês de investimento.

 

yt thumbnail

 

Acompanhe tudo sobre:aplicacoes-financeirasImigraçãoImóveisPrédios residenciais

Mais de Minhas Finanças

‘Independência financeira liberta’: Women in Finance discute gestão patrimonial para mulheres

Quina de São João: veja os números mais sorteados da história

Caixa anuncia novos pagamentos do auxílio reconstrução às famílias do RS; veja como sacar R$ 5,1 mil

O que são 'grupos de poupança' coreanos? Tipo de financiamento é comum em várias parte dos mundo

Mais na Exame