Mercados

Varejista está tirando o sono (e milhões) de Warren Buffett

Forte queda das ações da Tesco em 2014 já fez Buffett amargar um prejuízo de 750 milhões de dólares


	 Desde 2007, a Berkshire detém uma considerável participação na Tesco
 (REUTERS/Rick Wilking)

Desde 2007, a Berkshire detém uma considerável participação na Tesco (REUTERS/Rick Wilking)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de setembro de 2014 às 12h14.

São Paulo - A varejista britânica Tesco tem tirado o sono – e alguns milhões - do megainvestidor Warren Buffett. A forte queda de 43% das ações da companhia em 2014 já fez Buffett amargar um prejuízo de 750 milhões de dólares.

Na última segunda-feira a empresa cortou a previsão de lucro pela terceira vez este ano e suspendeu quatro membros de sua equipe depois de encontrar falha em suas contas, em mais um revés para a reputação da maior de rede de mercearias da Grã-Bretanha. Na ocasião, os papéis despencaram 12%.

Uma atualização de previsão de resultado divulgada em 29 de agosto exagerou o lucro esperado para o primeiro semestre em 23%, disse a Tesco.

O erro foi causado por uma reserva antecipada de receitas e reconhecimento atrasado de custos. Segundo a Tesco, o equívoco foi descoberto na preparação para a divulgação dos próximos resultados preliminares da empresa.

Considerando as informações presentes na carta anual da Berkshire Hathaway, que mostra em detalhes todos os investimentos da companhia de Buffett, a quantidade de ações detida pelo bilionário equivale a 3,7% da varejista. Desde 2007, a Berkshire detém uma considerável participação na Tesco.

O patrimônio total de Warren Buffett é estimado em 68 bilhões de dólares, segundo a Bloomberg. 

Acompanhe tudo sobre:EmpresáriosEmpresasEmpresas inglesasgrandes-investidoresMercado financeiroNasdaqPersonalidadesSupermercadosTescowall-streetwarren-buffett

Mais de Mercados

B3 suspende negociação da Petrobras (PETR4) após divulgação de nova diretoria

Inflação baixou, mas Fed ficou mais conservador: o que aconteceu?

Petrobras (PETR4) paga dividendos extraordinários e regulares na próxima semana

"O corte de juros acabou e Copom unânime deve favorecer o câmbio", diz Ettore Marchetti, da EQI

Mais na Exame