Ser dispara 14% após oferta por Laureate; Yduqs entra na disputa e sobe 8%

Aquisição, se concluída, irá criar a quarta maior empresa de ensino superior do país
Ser Educacional: empresa pretende ampliar participação no Sul e Sudeste (Germano Lüders/Site Exame)
Ser Educacional: empresa pretende ampliar participação no Sul e Sudeste (Germano Lüders/Site Exame)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 14/09/2020 às 12:16.

Última atualização em 14/09/2020 às 14:20.

As ações do Grupo Ser Educacional chegaram a disparar 14,40% na máxima desta segunda-feira, após a empresa ter chegado a um acordo de 4 bilhões de reais para comprar os ativos da Laureate no Brasil. Se concluída, a transação irá criar a quarta maior empresa de ensino superior do país. Às 14h20, os papéis da Ser subiam 11,5%, enquanto os da Yduqs, que entrou na disputa, avançavam 7,8%. Na Nasdaq, a Laureate sobe 2,3%.

A compra dos ativos, que envolve marcas como Anhembi Morumbi e FMU, com grande atuação em São Paulo, expande a atuação da empresa de origem nordestina no Sudeste e Sul, regiões que se tornaram o foco da companhia.

De acordo com o CEO da Ser, Jânyo Diniz, a Ser segue avaliando novas aquisições nessas localidades, mas a prioridade, no momento, é concluir a aquisição da Laureate Brasil, que tem o dobro do faturamento da Ser.

Em relatório, analistas da Exame Research elencaram três motivos para a compra da Laureate ser positiva para o Grupo Ser. “Ela mais do que dobrará de tamanho, passando a ter cerca de 450 mil alunos; será listada em Nova York e, assim, precisará aumentar o nível de governança; incluisrá em seu portifólio nomes bem consolidados em São Paulo”, avaliam.

A operação ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Outras companhias ainda podem oferecer valores superiores pelos ativos da Laureate. Nesse caso, a Ser terá o direito de igualar a oferta para ficar com os ativos.

“A Laureate é uma empresa maior que a Ser. Se ela concluir a compra, ela vai entrar em outro nível. Será um ponto de mudança em sua história. O mercado vai passar a olhar com mais carinho para ela”, afirma Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos.

Mas se depender da Yduqs (ex-Estácio), a transação irá por água abaixo. Nesta segunda-feira, 14, a companhia anunciou em fato relevante que irá entrar na briga pela Laureate com uma oferta ainda mais atrativa. Segundo a empresa, os ativos da Laureate em São Paulo e Sul do país, o crescimento de vagas de Medicina e a possibilidade de combinação dos negócios a motivaram a entrar na disputa. As ações da Yduqs subiram mais de 8%, após o anúncio.

Apesar do possível acirramento do mercado educacional, as ações de suas concorrentes Cogna e Anima são negociadas em alta de 3,12% e 6,6%, respectivamente. “A oferta pela Laureate saiu por múltiplo maior do que o negociado no mercado. Isso gerou uma reavaliação de ativos de empresas do setor”, afirma Esteter.

“Mesmo com as concorrentes ganhando força, as negociações pela Laureate mostram para os investidores que o setor segue vivo, apesar de passar por um momento de disrupção com o ensino a distância”, afirma Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos.

Na bolsa, o setor de educação é um dos que amargam as maiores quedas desde o início da pandemia. No ano, as ações da Yduqs e da Ser acumulam cerca de 38% de queda, as da Cogna, de 48,9%. Já os papéis da Anima, subiram cerca de 8% no ano, já contando a alta de hoje.