Mercados

Itaú vê mais potencial nas ações da Hering

Analista revisa projeção em 12% após antecipação de metas de abertura de lojas

Hering continua a ser uma das melhores opções no setor de consumo brasileiro, diz Itaú (Bia Parreiro/EXAME.com)

Hering continua a ser uma das melhores opções no setor de consumo brasileiro, diz Itaú (Bia Parreiro/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de outubro de 2010 às 10h57.

São Paulo - A valorização de 190% das ações da Hering no ano impressiona, mas quem vê os papéis perto de um teto ou muito valorizadas pode estar enganado. Em relatório divulgado hoje, a analista da Itaú Corretora Juliana Rozenbaum elevou o preço-alvo para os papéis da empresa em 12,6%, para 96,7 reais e reiterou a recomendação de outperform (desempenho acima da média de mercado). "A Hering continua a ser uma das melhores opções no setor de consumo brasileiro, dadas suas perspectivas de crescimento e o potencial valor da Hering Kids", destaca a analista.

A Itaú corretora considerou o desempenho da Hering (HGTX3) no terceiro trimestre em linha com sua expectativas. A companhia registrou um lucro líquido de 33,5 milhões de reais; alta de 46% frente ao mesmo período do ano passado. A corretora também destaca que a meta de 405 lojas (atualmente a marca tem 337 lojas) foi antecipada de 2012 pra o final de 2011.

"Apesar do forte crescimento de 33,6% (na comparação anual) nas vendas, as margens bruta e Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) vieram em linha, com diluição de custos fixos abaixo dos trimestres anteriores. Do lado positivo, a administração da empresa atualizou sua meta de abertura de lojas e 12 novas serão abertas no quarto trimestre, totalizando 61 no ano", avalia a analista Juliana Rozenbaum .

Acompanhe tudo sobre:AçõesAnálises fundamentalistasbolsas-de-valoresCalçadosEmpresasHeringMercado financeiroRoupasTêxteisVarejo

Mais de Mercados

Seis desdobramentos da reunião do Copom que manteve a Selic em 10,50%, segundo o BTG Pactual

Ibovespa opera em alta com mercado mais otimista após decisão do Copom

‘Banco dos restaurantes’: iFood quer dobrar de tamanho com lançamento do iFood Pago

Repercussão do Copom, decisão de juros na Inglaterra e Casas Bahia (BHIA3): o que move o mercado

Mais na Exame