Acompanhe:

Bovespa mostra indefinição com exterior sem viés claro

A ausência de um rumo único no mercado externo, contudo, corroborava alguma volatilidade no pregão brasileiro

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Bovespa: às 10:40, o Ibovespa subia 0,45%, a 57.078,39 pontos
 (Germano Lüders / EXAME)

Bovespa: às 10:40, o Ibovespa subia 0,45%, a 57.078,39 pontos (Germano Lüders / EXAME)

P
Paula Arend Laier

Publicado em 14 de setembro de 2016 às, 11h09.

São Paulo  - O principal índice da Bovespa ensaiava melhora nesta quarta-feira, após atingir a mínima em mais de um mês na véspera, com as ações de mineração e siderurgia entre as maiores altas da sessão.

A ausência de um rumo único no mercado externo, contudo, corroborava alguma volatilidade no pregão brasileiro.

Às 10:40, o Ibovespa subia 0,45 por cento, a 57.078,39 pontos. O volume financeiro era de 632 milhões de reais.

Na véspera, a Bovespa fechou com o seu principal índice em queda de 3 por cento, na mínima desde 2 de agosto, pressionado por um movimento de aversão a risco global que também derrubou bolsas e commodities no exterior.

No exterior, os preços do petróleo recuavam em meio a preocupações de que o equilíbrio do mercado global da commodity vai demorar mais do que o previsto e Wall Street mostrava os principais índices no azul nos primeiros negócios.

Destaques 

- VALE PNA avançava 1,9 por cento e VALE ON tinha acréscimo de 1,4 por cento, corrigindo parte do declínio excessivo da terça-feira, apesar da queda nos preços do minério de ferro à vista na China <.IO62-CNI=SI>.

- USIMINAS PNA subia 2,5 por cento, também ajustando-se a forte queda no setor siderúrgico na véspera, mesmo após os contratos futuros de aço da China caíram para uma mínima de sete semanas nesta quarta-feira.

- KROTON caía 0,5 por cento e ESTÁCIO recuava 1,2 por cento. A duas companhias de ensino estão em processo de fusão. No final de agosto, ambas apresentaram ao Cade o ato de concentração referente à combinação dos negócios.

- PETROBRAS PN subia 1 por cento e PETROBRAS ON ganhava 0,7 por cento, recuperando-se de fortes perdas na véspera, enquanto os preços do petróleo recuavam mais de 1 por cento.

- JBS valorizava-se X por cento, após o grupo J&F, dono da companhia de alimentos, apresentar garantia de 1,518 bilhão de reais para liberar os irmãos Joesley e Wesley Batista para comandar empresas do grupo.

- LOJAS AMERICANAS PN perdia 1,15 por cento. A varejista vai propor um relaxamento de uma das obrigações financeiras definidas junto a debenturistas de 5ª emissão e um prêmio para os investidores que aceitarem o pedido.

- HYPERMARCAS caía 0,6 por cento, com investidores atentos a julgamento no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre a venda da sua divisão de preservativos para a Reckitt Benckiser previsto para a nesta sessão.

- OI ON subia 0,7 por cento e OI PN ganhava 2 por cento, em meio ao acordo entre Pharol e Société Mondiale para encerrar disputas sobre o futuro do grupo.

As ações não fazem parte do Ibovespa.

- MARCOPOLO PN, que também não está no Ibovespa, subia 1,3 por cento, após sua concorrente Comil solicitar recuperação judicial.

Últimas Notícias

Ver mais
Carteira recomendada do BTG para março tira Vale (VALE3) e amplia exposição a setores mais cíclicos
seloOnde Investir

Carteira recomendada do BTG para março tira Vale (VALE3) e amplia exposição a setores mais cíclicos

Há 4 horas

Petrobras aumenta preço do querosene de aviação entre 8% e 8,5%
Economia

Petrobras aumenta preço do querosene de aviação entre 8% e 8,5%

Há 16 horas

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas
seloNegócios

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas

Há 17 horas

Petróleo vira arma na guerra de Milei com governadores, expondo novas fissuras no governo
Mundo

Petróleo vira arma na guerra de Milei com governadores, expondo novas fissuras no governo

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais