Mercados

GM prepara retorno triunfal ao mercado após IPO histórico

Há um ano e meio, a empresa estava em concordata

A GM levantou 20,1 bilhões de dólares na quarta-feira depois de precificar seus papéis  (Bill Pugliano/Getty Images)

A GM levantou 20,1 bilhões de dólares na quarta-feira depois de precificar seus papéis (Bill Pugliano/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de novembro de 2010 às 10h34.

Detroit e Nova York - A General Motors prepara-se para um retorno triunfal ao mercado de ações nesta quinta-feira, um dia depois que a companhia completou a maior oferta inicial de ações da história dos Estados Unidos e menos de um ano e meio depois de sair da concordata.

As ações da montadora começam a ser negociadas nas bolsas de valores de Nova York e de Toronto nesta quinta-feira, encerrando o primeiro estágio de uma recuperação que viu a empresa de 102 anos de existência sair do quase colapso graças a um pacote de ajuda do governo norte-americano.

A GM levantou 20,1 bilhões de dólares na quarta-feira depois de precificar seus papéis no topo das estimativas iniciais e em meio a enorme demanda dos investidores.

O preço da ação saiu a 33 dólares, avaliando a GM em cerca de 63 bilhões de dólares.

O apetite dos investidores pela empresa representa uma vitória para o governo de Barack Obama depois que Washington decidiu ajudar a empresa por meio de um impopular pacote de 50 bilhões de dólares. Isso fez o Tesouro dos EUA ter uma participação de 61 por cento na montadora e deu o apelido à empresa de "Government Motors".

"Esperamos ver uma alta de cerca de 10 por cento (na estreia) já que a resposta ao IPO foi boa e a venda de parte da parcela do governo é também positiva para a reconstrução da imagem da GM", disse William Lo, analista da Ample Finance Group.

A reversão na desconfiança de Wall Street em relação à GM indica uma renovação no humor do mercado sobre uma indústria que foi empurrada para perto do colapso antes da intervenção sem precedentes do governo.

Também oferece esperança para uma série de companhias relacionadas ao setor automotivo, incluindo a Chrysler, que está buscando acessar os mercados de crédito e ações nos próximos meses, afirmam analistas.

Incluindo opção que permite os organizadores da oferta venderem mais ações, a GM deve levantar 23,1 bilhões de dólares, o que deve ofuscar os 22,1 bilhões de dólares obtidos pelo Agricultural Bank of China em um IPO em julho.

A valorização inicial da GM representa uma diferença de mais de 9 por cento em relação à Ford, rival mais próxima da GM e única montadora dos EUA a evitar ajuda do governo.

Por décadas, a GM foi uma das ações mais negociadas e a saída da empresa do mercado eliminou economias de muitos pequenos investidores, incluindo aposentados e trabalhadores da própria montadora.

Apesar disso, investidores brigaram para participar do novo IPO da empresa, disseram fontes próximas do assunto.

Investidores de varejo vão representar mais de 20 por cento da oferta, ou mais de 3 bilhões de dólares, disse uma fonte. Enquanto isso, grandes fundos mútuos e de pensão norte-americanos representarão mais de 90 por cento da operação.

A GM acumula lucro de 5 bilhões de dólares nos primeiros nove meses de 2010 e está caminhando para ter o primeiro lucro anual desde 2004.

Morgan Stanley, JPMorgan, Bank of America Merrill Lynch e Citi foram os coordenadores do IPO da GM.

Acompanhe tudo sobre:AutoindústriaEmpresasEmpresas americanasGM – General MotorsIndústriaIndústrias em geralIPOsMercado financeiroMontadoras

Mais de Mercados

Bolsa abre no feriado? Veja o funcionamento da B3 no Corpus Christi em 2024

Ibovespa opera sem direção única de olho em elevação das estimativas do IPCA para 2024, 2025 e 2026

Lucro industrial da China, minério de ferro, 1º discurso de Magda e Focus: o que move o mercado

EXCLUSIVO: 99Pay investe 6 vezes mais na marca para alcançar 20 milhões de clientes ainda em 2024

Mais na Exame