Acompanhe:

Estrategista mais preciso em câmbio vê fim da alta do dólar

Para David Kohl, Banco Central não vair cortar a Selic mais do que uma ou duas vezes, o que beneficiaria carry trade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Dólar: diretor de estratégia cambial do Julius Baer Group acredita em dólar estável em 4,10 reais para os próximos três meses (burakpekakcan/Getty Images)

Dólar: diretor de estratégia cambial do Julius Baer Group acredita em dólar estável em 4,10 reais para os próximos três meses (burakpekakcan/Getty Images)

A
Aline Oyamada, da Bloomberg

Publicado em 15 de outubro de 2019 às, 15h59.

Última atualização em 7 de fevereiro de 2020 às, 12h25.

David Kohl, que acertou na sua previsão de dólar forte e fraqueza do real no terceiro trimestre, está dizendo agora que a desvalorização da moeda brasileira chegou ao fim.

O diretor de estratégia cambial do Julius Baer Group, com sede em Zurique, vê o dólar estável em 4,10 reais em três meses e em 4,15 reais em 12 meses. Um ambiente externo benigno e um cenário doméstico mais sólido devem compensar a queda nas taxas de juros domésticas que reduziram os ganhos de carry tarde e contribuíram para a desvalorização do real em 7,4% em 3 meses até setembro. Foi dele a estimativa mais certeira para o real no terceiro trimestre, de acordo com o ranking da Bloomberg.

Desde 30 de junho, o real tem tido um desempenho inferior a todos os pares de mercados emergentes com exceção do peso argentino, o que significa que não está mais supervalorizado, disse Kohl. Além disso, o Banco Central não vair cortar a Selic mais do que uma ou duas vezes, deixando um diferencial atraente para carry trade em relação aos mercados desenvolvidos.

“Há menos cortes à nossa frente do que atrás”, disse Kohl, acrescentando que a perspectiva de taxas de juros mais baixas foi a principal razão para que eles fossem pessimistas em relação ao real antes do terceiro trimestre. “As chances de uma moeda mais forte agora são muito melhores.”

Kohl disse que os investidores provavelmente vão focar no carry trade nos próximos meses, à medida que a liquidez do dólar melhorar com o esperado corte de juros pelo Fed novamente em outubro e que o acordo comercial entre os EUA e a China aumentar o apetite por ativos de risco.

O estrategista não está preocupado com o ritmo do crescimento econômico como driver para o câmbio e diz que a perspectiva é “sólida” o suficiente. Na verdade, segundo ele, o importante para a moeda brasileira é que a recessão tenha terminado.

“Não há grandes desequilíbrios para o Brasil”, disse Kohl. “E é por isso que estamos bastante confortáveis ​​com a moeda”.

Últimas Notícias

Ver mais
Dólar cai 0,47% com ajustes em meio à fala dura de Campos Neto
seloMercados

Dólar cai 0,47% com ajustes em meio à fala dura de Campos Neto

Há 7 horas

Por que o dólar está subindo tanto? 3 fatores que explicam a alta da moeda
seloMercados

Por que o dólar está subindo tanto? 3 fatores que explicam a alta da moeda

Há 11 horas

Dólar hoje: moeda abre a R$ 5,28, o que está fazendo o câmbio subir?
seloMercados

Dólar hoje: moeda abre a R$ 5,28, o que está fazendo o câmbio subir?

Há 16 horas

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais