Mercados

Citibank reduz previsão para preços do petróleo

O Citibank reduziu projeções para preços do petróleo, dizendo que o mercado deverá encontrar um piso entre o fim do primeiro trimestre e o início do segundo


	Plataforma de petróleo: Citibank reduziu sua projeção para o preço do petróleo Brent e do WTI em 2015
 (David Mcnew/AFP)

Plataforma de petróleo: Citibank reduziu sua projeção para o preço do petróleo Brent e do WTI em 2015 (David Mcnew/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de fevereiro de 2015 às 16h22.

O Citibank reduziu nesta segunda - feira suas projeções para os preços do petróleo, dizendo que o mercado deverá encontrar um piso em algum momento entre o fim do primeiro trimestre de 2015 e o início do segundo.

"É impossível estimar uma mínima, que pode, como resultado do excedente de oferta e da influência da estocagem, cair bem abaixo de 40 dólares por barril para o West Texas Intermediate (WTI, como é conhecido o petróleo nos EUA), talvez cair até a faixa de 20 dólares temporariamente", disse o banco de investimentos em uma nota a clientes.

O Citibank reduziu sua projeção para o preço médio do petróleo Brent em 2015 para 54 dólares por barril ante 63 dólares da estimativa anterior, e reduziu a previsão de preço para 2016 em 1 dólar para 69 dólares por barril.

O banco também reduziu a previsão de preço médio do WTI em 2015 para 46 dólares por barril, ante 55 dólares, e em 2016 para 61 dólares, ante 62 dólares.

O Citi disse ainda que espera que a oferta de fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) caia em 200 mil barris por dia até 2016, parcialmente devido a uma redução nas áreas de xisto dos Estados Unidos.

Acompanhe tudo sobre:BancosCitibankCitigroupEmpresasEmpresas americanasEnergiaPetróleoPreços

Mais de Mercados

B3 suspende negociação da Petrobras (PETR4) após divulgação de nova diretoria

Inflação baixou, mas Fed ficou mais conservador: o que aconteceu?

Petrobras (PETR4) paga dividendos extraordinários e regulares na próxima semana

"O corte de juros acabou e Copom unânime deve favorecer o câmbio", diz Ettore Marchetti, da EQI

Mais na Exame