Mercados

Buffett completa 90 anos e deixa nova lição para investidores

O Oráculo de Omaha vende posições importantes de bancos e compra ações de uma mineradora de ouro: visão de longo prazo?

Warren Buffett (Kevin Lamarque/Reuters)

Warren Buffett (Kevin Lamarque/Reuters)

MS

Marcelo Sakate

Publicado em 30 de agosto de 2020 às 14h23.

Última atualização em 31 de agosto de 2020 às 13h00.

Um dos mais bem-sucedidos investidores de todos os tempos completa 90 anos neste domingo, 30. Warren Buffett, também conhecido como o Oráculo de Omaha, ergueu um império avaliado em 500 bilhões de dólares com a sua Berkshire Hathaway, que comanda como CEO desde 1965.

A data comemorativa acontece em um ano em que Buffett, cujo patrimônio é de 83 bilhões de dólares, fez algumas alterações na sua consagrada estratégia de investimentos.

Recentemente, Buffett se desfez de boa parte de suas participações em bancos americanos e empresas do setor financeiro, incluindo o JPMorgan Chase, o Wells Fargo, a Mastercard e a Visa. No início do ano, já havia vendido sua participação no Goldman Sachs (é justo dizer que ele ainda capital no Bank of America e na American Express, entre outras).

Ao mesmo tempo, o Oráculo de Omaha fez uma intrigante aquisição: ações da canadense Barrick Gold, a maior mineradora de ouro do mundo.

O bilionário investidor é conhecido por carregar posições acionárias relevantes em grandes companhias por muitos anos, como na Coca-Cola e na Apple -- a sua participação de 5,7% é estimada em 125 bilhões de dólares --, entre outras blue chips. São em geral empresas bem-administradas e com vantagens competitivas nos seus setores, o que incluía os bancos.

Buffett é sócio também da Kraft Heinz, em parceria com a 3G Capital, empresa de private equity de Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira.

A decisão de comprar ações da mineradora colocou analistas em dúvida sobre as razões que levaram Buffett e a Berkshire a fazer tal movimento: estaria o bilionário montando posições de curto prazo para se proteger, como costuma ser associado ao ouro?

Para Charles Gave, sócio-fundador da Gavekal Research, o movimento pode esconder uma visão de longo prazo que foge à maioria do mercado neste momento.

No relatório "Does Warren Buffett Know Something We Don't", o famoso economista francês analisa o comportamento de ações de mineradoras de ouro à luz do contexto histórico da economia. E constata que as cotações superam a maior parte dos ativos em momentos que descreve como "períodos keynesianos", em que o Federal Reserve (o BC americano) mantém as taxas extraordinariamente baixas para estimular o crescimento.

É o que tem acontecido desde 2016, em linha com o que se espera que deve continuar a acontecer por algum tempo -- juros baixos nos EUA --, escreve Gave.

Ele afirma que a decisão de comprar ações de mineradoras tem duas possíveis respostas: a expectativa de valorização das cotações do ouro ou que o metal volte a desempenhar um papel relevante no sistema internacional de pagamentos, como no passado.

Isso levaria bancos centrais a voltar a comprar o metal como uma espécie de seguro, "transformando ações de mineradoras de ouro de ativos de curto prazo em ativos de longo prazo", escreve. "Talvez Buffett não tenha perdido o seu toque (de Midas)", conclui.

 

Acompanhe tudo sobre:AçõesAppleBerkshire HathawayCarlos Alberto SicupiraJorge Paulo LemannMarcel Telleswarren-buffett

Mais de Mercados

Ibovespa: nem Petrobras nem Nvidia conseguem sustentar bolsa, que opera em queda após Ata do Fed

"Se o medo é de uma loucura na Suzano, eu compro a ação": por que esse gestor está otimista com IP

Repercussão do balanço da Nvidia e da Ata do Fed: os assuntos que movem o mercado

Nvidia (NVDC24) dispara mais de 7% no pré-mercado após balanço do 1T24 surpreendente

Mais na Exame