Mercados

As sete empresas que pediram para deixar a Bolsa neste ano

Se todos os pedidos pendentes na CVM forem aprovados até dezembro, 2016 será o ano com o maior número de empresas fechando capital

Adeus: Atualmente, a CVM analisa 11 pedidos de OPAs para fechamento de capital (Thinkstock/Medioimages/Photodisc)

Adeus: Atualmente, a CVM analisa 11 pedidos de OPAs para fechamento de capital (Thinkstock/Medioimages/Photodisc)

Rita Azevedo

Rita Azevedo

Publicado em 12 de julho de 2016 às 15h46.

Última atualização em 3 de novembro de 2016 às 11h23.

São Paulo — A fabricante de eletrodomésticos Whirlpool, dona das marcas Brastemp e Consul, deverá ser a sétima empresa a pedir o fechamento de capital somente neste ano.

A companhia informou na manhã desta terça-feira (12) que irá realizar uma Oferta Pública de Ações (OPA) para a compra de até 100% dos papéis. O preço, de acordo com a empresa, será de 3,31 reais por ação ordinária ou preferencial.

De acordo com dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), há 11 pedidos desse tipo em análise. Outros cinco já foram autorizados desde janeiro.

Se continuar no mesmo ritmo, 2016 pode ser o ano com o maior número de fechamentos de capital desde o início da série histórica disponível no site do órgão, em 2006. No ano passado, sete empresas deixaram de ser listadas na Bolsa brasileira.

Veja abaixo as empresas que querem dar adeus à Bolsa e o número de fechamentos de capital ano a ano.

https://infogr.am/94d414d0-aec7-4887-94fc-b099bef8b58d

 

Acompanhe tudo sobre:B3Bancosbolsas-de-valoresBrasmotorBrinquedosCalçadosEmpresasEmpresas americanasIndústria de eletrodomésticosIndusvalOPAQuímica e petroquímicaRoupasSofisaTectoyUniparWhirlpool

Mais de Mercados

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Após balanço, Nvidia (NVDC34) já vale mais que Amazon (AMZO34) e Tesla (TSLA34) juntas

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com cautela por política monetária

Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4) disparam mais de 10% após anúncio de parceria para voos no Brasil

Mais na Exame