Mercados

Adecoagro, de George Soros, reduz preço para IPO nos EUA

Empresa espera levantar US$ 300 milhões após diminuir a faixa de preço para entre US$ 11 e US$ 12

George Soros é um dos donos da Adecoagro (Miguel Villagran/Getty Images)

George Soros é um dos donos da Adecoagro (Miguel Villagran/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de janeiro de 2011 às 13h45.

Nova York e Buenos Aires - A Adecoagro SA, empresa do setor agrícola e de energia renovável que tem o bilionário George Soros como um de seus sócios, cortou a faixa de preço estimada para sua abertura de capital nos Estados Unidos para US$ 11 a US$ 12, contra a previsão anterior de até US$ 15.

A empresa espera levantar US$ 308 milhões com a operação, já descontadas as despesas, disse a Adecoagro, que tem sede em Luxemburgo, em comunicado às autoridades americanas. A projeção anterior era de até US$ 429 milhões. O número de ações na oferta ficou inalterado em 28,57 milhões.

A abertura de capital acontece em um momento em que as cotações das commodities disparam e os preços dos alimentos estão em níveis recorde. A Adecoagro produz açúcar, café, soja, milho, arroz e leite em fazendas no Brasil, Argentina e Uruguai. Os recursos levantados com a venda de ações serão usados na construção de uma usina de açúcar e etanol no Brasil e também na compra de terrenos agrícolas.

O grupo de acionistas da Adecoagro inclui a Pampas Humedas LLC, uma afiliada da Soros Fund Management LLC, que tem cerca de 33 por cento da empresa e planeja reduzir sua participação para cerca de 21 por cento depois da abertura de capital.

A Adecoagro concordou em vender uma fatia adicional de US$ 100 milhões em ações para a Qatar Holding LLC, unidade de investimentos do fundo soberano do Qatar, o que eleva a participação do fundo na empresa de cerca de 6 por cento para 11 por cento, de acordo com o prospecto.

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioAgropecuáriaEstados Unidos (EUA)IPOsMercado financeiroPaíses ricos

Mais de Mercados

STJ determina indenização de R$ 5 bilhões à CSN por disputa na Usiminas

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, aumenta aposta no mercado de petróleo

Nvidia ultrapassa Microsoft e é a empresa mais valiosa do mundo

Petrobras (PETR4) aceita acordo tributário: isso impacta os dividendos?

Mais na Exame