Mercados

Ação da Sonae Sierra sai a R$ 20, abaixo do piso esperado

Coordenadores esperavam que o preço ficasse entre R$ 21,50 e R$ 26,50

Modelo do Boulevard Londrina Shopping: inauguração está prevista para 2012 (Divulgação/Sonae Sierra Brasil/Divulgação)

Modelo do Boulevard Londrina Shopping: inauguração está prevista para 2012 (Divulgação/Sonae Sierra Brasil/Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de fevereiro de 2011 às 12h18.

São Paulo – As ações da administradora de shopping centers Sonae Sierra (SSBR3) foram precificadas a 20 reais cada, abaixo do intervalo estimado pelos coordenadores do IPO (Oferta Inicial de Ações, na sigla em inglês) entre 21,50 reais e 26,50 reais. Foram vendidas 23.913.043 ações na operação, segundo o informado à CVM. Com isso, a empresa captou 478, 260 milhões de reais.

A companhia, que tem como principais sócios a norte-americana Developers Diversified Realty e a portuguesa Sonae Sierra, retomou o processo de IPO no início de dezembro, após ter o prazo de um pedido anterior expirado.

Os recursos obtidos com a oferta serão destinados a reforçar o caixa da companhia. A oferta é coordenada pelos bancos Credit Suisse (líder), JPMorgan e Itaú BBA e conta ainda com Espirito Santo Investment Bank e Banco Caixa Geral Brasil.

A Sonae Sierra possui participação majoritária na maioria dos shopping centers de seu portfólio -Boavista, Campo Limpo, Franca, Metrópole, Parque D. Pedro, Penha, Plaza Sul e Tivoli, no Estado de São Paulo, e Manauara, em Manaus-, sendo responsável pela administração de todos.

Direto da Bolsa: Ações do PanAmericano disparam - 2ª Edição

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas portuguesasIPOsMercado financeiroOfertas de açõesShopping centersSonae Sierra

Mais de Mercados

Propostas de Trump podem pressionar inflação nos EUA, diz estrategista da BlackRock

Ibovespa abre próximo à estabilidade com maior aversão a risco no mercado

Estoque global de chips cai após Biden e Trump sinalizarem política mais rígida

Vale (VALE3), produção industrial dos EUA e Livro Bege: o que move o mercado

Mais na Exame