Mercados

10 coisas que você precisa saber para a abertura dos mercados

Capitalização da Petrobras é aprovada no Senado; Banco Central da Inglaterra mantém juro básico; Selic sobe mais uma vez

plataforma-petrobras-jpg.jpg (.)

plataforma-petrobras-jpg.jpg (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de junho de 2010 às 09h53.

São Paulo - Aqui está o que você precisa saber:

1 - A sessão desta quinta-feira (10) começa movimentada. O principal destaque do dia é a aprovação  da capitalização da Petrobras (PETR3) (PETR4) pelo Senado. Agora ainda falta o governo definir alguns termos da oferta bilionária de ações da companhia a ser realizada nas próximas semanas.  Segundo os profissionais de mercado, o preço das ações da Petrobras ficou atraente por conta da própria oferta.

2 - Na noite da última quarta-feira (10), o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juro do Brasil em 0,75 ponto percentual. A Selic está agora em 10,25% ao ano. Economistas ouvidos pelo site EXAME.com acreditam que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) deva reduzir o ritmo na próxima reunião.

3 - O Banco Central da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) manteve a taxa de referência da economia inalterada em 0,5% ao ano, recorde de baixa, na reunião de política monetária concluída hoje.  A manutenção era esperada. O BC inglês também não alterou o limite de 200 bilhões de libras de seu programa de compra de títulos.

4 - As ações da British Petroleum (BP) registram hoje uma forte queda de 12% na bolsa de valores de Londres, devido ao temor dos investidores de que o Governo americano imponha elevadas sanções à empresa por causa do vazamento de óleo no Golfo do México.

5 - O Produto Interno Bruto (PIB) japonês revisado cresceu 1,2 por cento no período entre janeiro e março de 2010 em relação ao trimestre anterior. Economistas previam uma expansão de 1 por cento. Economistas esperam que o crescimento será moderado no segundo trimestre.

6 -   Com um crescimento maior do que o esperado nas exportações, a China apresentou superávit comercial em maio pelo segundo mês consecutivo. O saldo foi bem maior do que o de abril, indicando que os problemas na Europa ainda não limitaram a demanda pelos produtos chineses.

7 - A operadora de telecomunicações francesa Vivendi disse hoje que não quebrou nenhuma regra na aquisição da brasileira GVT, concluída no ano passado. A empresa disse estar "totalmente confiante" que as ações foram lícitas, informou um porta-voz para a Bloomberg. A CVM investiga possível fraude na operação.

8 - O Banco Mundial (BM) advertiu hoje que a América Latina será uma das regiões mais afetadas caso algum país da União Europeia (UE) declare descumprimento de pagamentos ou realize uma grande reestruturação de sua dívida soberana. A incerteza rodeia cinco países europeus - Grécia, Portugal, Espanha, Itália e Irlanda - com dívidas elevadas e avultados déficits fiscais.

9 - Os investidores andaram de lado nesta quinta-feira na maioria dos mercados asiáticos. Com isso, as bolsas fecharam sem tendência definida. A Bolsa de Hong Kong apresentou ligeira alta, com os investidores mostrando cautela, à espera dos dados sobre a inflação da China, a serem divulgados amanhã. 

10 -  A concessão à iniciativa privada de um terceiro aeroporto em São Paulo voltou à pauta do governo. A ideia fazia parte do plano emergencial para atacar os problemas do apagão aéreo (2006-2007), mas havia sido arquivada. A medida está sendo desengavetada porque o governo colheu novas informações sobre a situação da demanda atual e a expectativa de movimento criada pela escolha do Brasil para sediar a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

 

 

Acompanhe tudo sobre:AçõesAeroportosÁsiaAviaçãoCapitalização da PetrobrasChinaEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasEuropaGás e combustíveisIndústria do petróleoPaíses ricosPetrobrasPetróleoReino UnidoSetor de transporteTransportes

Mais de Mercados

É recorde (quase) todo dia: o que explica o otimismo de investidores com as bolsas de Nova York

STJ determina indenização de R$ 5 bilhões à CSN por disputa na Usiminas

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, aumenta aposta no mercado de petróleo

Nvidia ultrapassa Microsoft e é a empresa mais valiosa do mundo

Mais na Exame