Inteligência Artificial

Por que a Malásia pode se tornar um polo para a inteligência artificial?

Na mira da Microsoft, o país deve receber US$ 2,2 bilhões em quatro anos para expandir serviços de nuvem e inteligência artificial, reforçando sua posição no sudeste asiático

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 2 de maio de 2024 às 11h41.

Última atualização em 2 de maio de 2024 às 15h02.

A Microsoft anunciou um plano de investimento de US$ 2,2 bilhões para desenvolver infraestrutura digital na Malásia, destacando o crescente interesse pela região do sudeste asiático como mercado tecnológico essencial.

O projeto será executado ao longo de quatro anos, focando na construção de infraestruturas para os serviços de computação em nuvem e inteligência artificial (IA). O anúncio foi feito por Satya Nadella, CEO da empresa, durante sua visita a Kuala Lumpur nesta quinta-feira, 2.

Além da construção de infraestrutura, a iniciativa incluirá treinamento em inteligência artificial para 200.000 pessoas na Malásia, em parceria com o governo local para fortalecer as capacidades de cibersegurança do país.

Em uma região que rapidamente digitaliza seus serviços e negócios, a Microsoft concorre com gigantes como Alphabet, Amazon e Alibaba por espaço no mercado do Sudeste Asiático, que possui mais de 650 milhões de habitantes.

Além da Malásia, as empresas de tecnologia estão ampliando suas operações em países vizinhos, como Singapura, diversificando sua presença na Ásia para minimizar riscos geopolíticos, especialmente os decorrentes das tensões entre Pequim e Washington.

O investimento, o maior já realizado pela Microsoft em 32 anos de atuação na Malásia, visa consolidar a liderança da empresa no mercado asiático. Nadella, que prometeu investir pelo menos US$ 7 bilhões para expandir os serviços da Microsoft desde o Japão até a Índia, destacou a inteligência artificial como um vetor de crescimento e instou os países a investirem mais nessa tecnologia.

A região de Johor Bahru, no sul da Malásia, que possui uma ligação terrestre com Singapura, está se destacando como um dos principais centros de dados de IA na Ásia. No ano passado, a Nvidia se associou à YTL Power International, uma companhia chave para construir um parque de centros de dados de IA avaliado em US$ 4,3 bilhões.

Embora a adoção de IA ainda esteja em fase inicial no Sudeste Asiático, espera-se que contribua com cerca de US$ 1 trilhão para a economia da região até 2030, com a Malásia podendo capturar aproximadamente US$ 115 bilhões desse total, segundo um relatório da consultoria Kearney.

Nesta semana, a Microsoft também revelou planos para treinar um total de 2,5 milhões de pessoas em habilidades de IA no Sudeste Asiático até 2025. Cerca de 680.000 desenvolvedores na Malásia utilizaram a plataforma GitHub, pertencente à Microsoft, em 2023, registrando um aumento anual de 28%.

Antes de sua visita à Malásia, Nadella anunciou investimentos de US$ 1,7 bilhão na Indonésia e um montante não divulgado na Tailândia, em esforços semelhantes para desenvolver infraestrutura digital e de nuvem de IA. Como parte do investimento na Tailândia, a Microsoft planeja destinar cerca de US$ 1 bilhão para um novo centro de dados no país, conforme reportado pelo Bangkok Post.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialMalásiaMicrosoft

Mais de Inteligência Artificial

Musk retira processo contra OpenAI um dia após criticar acordo com Apple

O que o acordo OpenAI-Apple significa para Google e Microsoft

Mistral AI levanta US$ 645 milhões e atinge valor de US$ 6,5 bilhões

Senado defende aprovação de projeto de lei sobre inteligência artificial no Brasil

Mais na Exame