Inteligência Artificial

Mistral AI, rival parisiense da OpenAI, deve receber mais US$ 500 milhões em investimentos

Quatro meses após captar cerca de US$ 425 milhões, que avaliaram a startup em US$ 2 bilhões, os três fundadores da Mistral, liderados pelo CEO Arthur Mensch, avaliam novas opções de financiamento

Fundadores da Mistral: Arthur Mensch, Timothée Lacroix e Guillaume Lample

Fundadores da Mistral: Arthur Mensch, Timothée Lacroix e Guillaume Lample

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 19 de abril de 2024 às 09h35.

Última atualização em 19 de abril de 2024 às 09h43.

A Mistral, startup francesa de inteligência artificial (IA), iniciou conversações para levantar um financiamento de US$ 500 milhões, operação que poderia elevar sua avaliação para, no mínimo, US$ 5 bilhões.

Quatro meses após captar cerca de US$ 425,53 milhões, que avaliaram a startup em US$ 2,12 bilhões, os três fundadores da Mistral, liderados pelo CEO Arthur Mensch, avaliam suas opções. A companhia sediada em Paris é vista como a maior esperança europeia para competir com gigantes do Vale do Silício como OpenAI e Anthropic, conforme fontes próximas às negociações.

A ascensão rápida da Mistral é notável mesmo diante da euforia recente no setor de IA, que se intensificou nos últimos 18 meses. A empresa foi fundada em maio de 2023 por ex-pesquisadores de IA da Meta e Google, e lançou várias versões de seu modelo de IA, além de um chatbot chamado Le Chat, similar ao ChatGPT da OpenAI, começando a gerar receita nos últimos meses.

A Mistral recebeu investimentos de fundos de capital de risco renomados, como Lightspeed Venture Partners, Andreessen Horowitz e General Catalyst, além de Nvidia, Salesforce e Eric Schmidt, ex-CEO do Google. Além disso, adota uma abordagem de código aberto, diferenciando-se de empresas como a OpenAI, apoiada pela Microsoft, e o Google.

O novo capital será utilizado principalmente para adquirir chips necessários para treinar e operar seus modelos, uma vez que desenvolver modelos avançados de linguagem exige uma quantidade significativa de poder computacional e é altamente intensivo em capital.

Mistral também estabeleceu parcerias com empresas como Microsoft, Databricks, Snowflake e AWS da Amazon, com algumas delas adquirindo pequenas participações na startup.

A capacidade da Mistral de acompanhar gigantes tecnológicos e adquirir chips de IA suficientes ainda é uma incógnita. No entanto, até agora, a empresa construiu e treinou seus modelos a um custo e escala menores que rivais como OpenAI, Anthropic e Google. Segundo Mensch, a Mistral lançou seu primeiro modelo de IA com uma equipe de apenas 10 pessoas e um orçamento de treinamento inferior a US$ 531 mil.

A emergência da Mistral como um concorrente no campo acelerado da inteligência artificial a posiciona como um símbolo dos esforços do governo francês para garantir que o país e a UE não fiquem para trás em relação aos rivais dos EUA e da China. O presidente Emmanuel Macron tem defendido uma abordagem regulatória mais flexível para a IA na UE, a fim de não sufocar a inovação.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

A IA no cotidiano: entre a produtividade e o riso

OpenAI melhora processo de recrutamento por temer espiões chineses

A inteligência artificial consegue contar boas piadas? Pesquisadores fizeram o teste

Cofundador da OpenAI anuncia lançamento de nova empresa de IA

Mais na Exame