Inteligência Artificial

Como a inteligência artificial pode mudar a vida de pessoas autistas

Operadoras de grande porte no Brasil gastam entre R$ 70 milhões a R$ 360 milhões por ano com despesas ligadas ao autismo

Miguel Fernandes
Miguel Fernandes

Chief Artificial Intelligence Officer da Exame

Publicado em 7 de junho de 2024 às 13h14.

Última atualização em 20 de junho de 2024 às 13h57.

Tudo sobreInteligência artificial
Saiba mais

Francisco Paiva Junior, um dos fundadores da Tismoo.me, conhece na pele os desafios de criar uma criança autista. Quando seu filho foi diagnosticado com a condição aos 1 ano e 11 meses, esse programador por hobby e jornalista por formação mergulhou de cabeça na busca por informações e soluções. Frustrado com a escassez de recursos confiáveis, Francisco criou a Revista Autismo, hoje a mais importante publicação sobre o tema em língua portuguesa.

Francisco Paiva Junior e Dr. Alysson Muotri

Mas sua jornada estava apenas começando. Após uma temporada na Califórnia para se aproximar das mais recentes inovações científicas, Francisco se uniu ao renomado pesquisador brasileiro Dr. Alysson Muotri e ao advogado Marco Antônio Inocente para fundar a Tismoo.me. A empresa nasceu com um propósito claro: melhorar a qualidade de vida de autistas e suas famílias por meio da combinação de ciência de ponta, inteligência artificial e acolhimento humano. Todos os fundadores são pais de pessoas neurodivergentes.

Plataforma de saúde votlada para famílias e pessoas neurodivergentes

O modelo de negócios da Tismoo.me é vender seu serviço de gestão de saúde populacional para empresas, que é oferecido como benefício a seus funcionários neurodiversos ou com familiares nessa condição. Para as corporações, o valor agregado vai muito além da economia nos custos de saúde. Ao promover a diversidade e inclusão, elas atraem e retêm talentos, fortalecem sua marca empregadora e demonstram responsabilidade social.

Já para as famílias atendidas, os benefícios são transformadores. Com o suporte contínuo da equipe multidisciplinar da Tismoo.me, elas experimentam menos crises, internações e idas ao pronto-socorro. Os autistas ficam mais estáveis, engajados nas terapias e capazes de desenvolver todo o seu potencial. E os pais e mães, antes sobrecarregados, ganham um alívio imenso na carga emocional e financeira.

Mas o impacto da Tismoo.me transcende as famílias diretamente atendidas. Ao promover a saúde e estabilidade de pessoas neurodivergentes, a empresa gera economia para todo o sistema. Dados da Unimed Fesp de 2023 mostram que operadoras de grande porte no Brasil gastam de R$ 70 milhões a R$ 360 milhões por ano com despesas ligadas ao autismo. Ao prevenir crises, internações e judicializações, a Tismoo.me contribui para a sustentabilidade do setor.

Rede de apoio

Talvez a maior contribuição da empresa, porém, seja o ganho imensurável em qualidade de vida que proporciona às famílias. A sensação de amparo por um time de especialistas dedicados, acessíveis 24/7. A confiança de enfrentar cada desafio com as melhores evidências científicas e o mais genuíno cuidado humano. A esperança renovada em um futuro onde a neurodiversidade é abraçada e celebrada.

A trajetória de Francisco e da Tismoo.me prova o poder transformador do empreendedorismo movido por propósito. Da dor de um pai nasceu uma solução que hoje impacta milhares. Do amor por um filho brotou um legado que transcende gerações. E da combinação de ciência, tecnologia e empatia emerge um novo paradigma no cuidado com a neurodiversidade.

Que essa história nos inspire a usar nossos talentos para fazer a diferença. Como empreendedores, profissionais, educadores ou simplesmente seres humanos compassivos, todos podemos contribuir para uma sociedade mais inclusiva e sustentável. Porque, no final das contas, cuidar uns dos outros é o mais inteligente que podemos fazer - para nossos filhos, para nós mesmos e para o futuro que queremos construir.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

OpenAI melhora processo de recrutamento por temer espiões chineses

A inteligência artificial consegue contar boas piadas? Pesquisadores fizeram o teste

Cofundador da OpenAI anuncia lançamento de nova empresa de IA

As ações nada óbvias que podem se beneficiar pelo boom da IA

Mais na Exame