Inteligência Artificial

O que é Bard? Como usar a IA do Google

O lançamento em novembro de 2022 do ChatGPT, um chatbot conversacional online, colocou outras big techs para correr atrás da Inteligência Artificial (IA). Em fevereiro, foi a vez do Google anunciar seu próprio robô gerador de texto para competir com a OpenAI

Google: ferramenta de IA generativa Bard agora pode ser usada por brasileiros (Cesc Maymo/Getty Images)

Google: ferramenta de IA generativa Bard agora pode ser usada por brasileiros (Cesc Maymo/Getty Images)

Laura Pancini
Laura Pancini

Repórter de Tecnologia e Inteligência Artificial

Publicado em 13 de julho de 2023 às 04h02.

Última atualização em 27 de julho de 2023 às 13h40.

Nesta quinta-feira, 13, o Google anuncia que o Bard está oficialmente disponível no Brasil. A inteligência artificial (IA) generativa agora tem português brasileiro e novos recursos para competir com o ChatGPT, como botão de pesquisa para o serviço de busca e a possibilidade de transformar o conteúdo num link compartilhável.

A partir de hoje, 13, além do português do Brasil, o Bard agora está disponível em 40 idiomas - incluindo árabe, chinês, alemão, hindi e espanhol. A ferramenta de IA generativa também foi liberada em 27 países da União Europeia.

O Google reafirma que a IA generativa ainda é um experimento e passível de erros. Quando a página do Bard é aberta, uma tela alertando sobre os riscos de respostas falsas aparece. Porém, a big tech acredita que os feedbacks de usuários diminuirão as respostas problemáticas -- um desafio de qualquer chatbot -- com o tempo.

Qual é a diferença entre o Bard e ChatGPT?

O Bard acessa o Google, enquanto o ChatGPT é uma base de dados que vai até 2021. Ambos têm uma barra lateral para fixar, nomear e salvar as conversas.

As respostas do Bard têm um botão que leva diretamente para a pesquisa do Google sobre o tema. Elas também podem ser lidas em voz alta.

Na nova atualização, é possível transformar as respostas em links compartilháveis. Assim, quem conversa com o Bard pode enviar uma parte do bate-papo ou ele inteiro para colegas.

Resposta do Bard: é possível salvar as conversas na barra lateral, como no ChatGPT (Google/Divulgação)

Em breve, o Bard terá quatro opções para modificar as respostas de forma mais rápida. Serão quatro formas de alterar o texto: mais curto, longo, casual e profissional. Por enquanto, o recurso só está disponível em inglês.

O Google também anunciou uma integração com o Google Lens para que o Bard seja capaz de analisar imagens. Está disponível somente em inglês.

O que é o Bard?

O Bard é um chatbot, ou seja, um robô que conversa à base de inteligência artificial. A IA usada pela ferramenta é chamada generativa, pois cria e gera novos conteúdos utilizando técnicas de aprendizado de máquina e redes neurais –sistemas de computação que imitam o cérebro humano e que podem aprender e melhorar continuamente.

O Bard é alimentado por um grande modelo de linguagem chamado LLM que, em inglês, é sigla para "large language models". De acordo com o Google, ele é uma versão leve e otimiza do LaMDA, e será atualizado com modelos mais capazes ao longo do tempo.

Como acessar o Bard?

Acesse o Bard pelo site bard.google.com. Ele está disponível pelo navegador do computador ou celular.

O único passo necessário é fazer o login pela conta Google. Depois, é só digitar um comando e explorar a infinidade de assuntos sobre os quais o Bard pode te ajudar

Após receber uma resposta do Bard, é possível complementar a pesquisa de forma independente clicando no botão de "Busca do Google".

Resposta do Bard: IA generativa do Google dá três opções de respostas, ou "rascunhos" (Google/Divulgação)

Como falar com o Bard?

Assim como no ChatGPT, basta colocar sua pergunta. É como fazer pesquisas no Google, mas é possível escrever mais naturalmente.

Existem alguns truques de como mexer com o Bard. Em um artigo da ZDNet, site norte-americano de notícias sobre tecnologia, há algumas dicas sobre como usar IAs baseadas em texto. Uma delas é bem simples: fale com a inteligência artificial como você falaria com uma pessoa.

Digamos que você esteja planejando uma viagem para Londres e quer recomendações sobre pontos turísticos. Em vez de fazer uma pergunta genérica, como “vou viajar para Londres, o que você recomenda?”, você pode acrescentar mais contexto. Veja o exemplo:

Estou planejando uma viagem para Londres no próximo mês e gostaria de algumas recomendações de pontos turísticos na cidade. Estou interessado em explorar a cultura, a arquitetura e a gastronomia locais. Você poderia me sugerir alguns lugares que atendam a esses interesses?

Ao incluir essas informações na sua sugestão, você está direcionando o Bard para fornecer recomendações mais alinhadas com suas preferências. Também é possível:

  • Crie o contexto e dê informações relevantes - Ao criar um prompt (comando ou entrada), forneça informações que definam o contexto da pergunta, permitindo respostas mais focadas;
  • Faça a IA assumir uma identidade ou profissão - Explore a capacidade do IA de responder a partir da perspectiva de uma pessoa ou profissão específica, como um gerente de produto, um físico ou um jornalista, para obter insights diferentes;
  • Mantenha a IA no caminho certo e evite respostas genéricas - Faça perguntas que peçam à IA que justifique suas respostas e forneça evidências para suas colocações, ajudando a evitar respostas prontas e mantendo a IA alinhada com o objetivo da discussão.

*Com colaboração de Amanda Lemos

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialGoogleChatGPTFree Paywall

Mais de Inteligência Artificial

Para surfar a onda da IA, Samsung promete aos clientes fábrica de chips 20% mais rápida

Amazon enfrenta desafios para integrar IA generativa na Alexa, revelam ex-funcionários

Mira Murati, da OpenAI, responde a Elon Musk sobre integração com Apple

Musk retira processo contra OpenAI um dia após criticar acordo com Apple

Mais na Exame