Inteligência Artificial

Amazon lança IA que funciona como concierge — e que talvez espere uma gorjeta sua

Não deve demorar muito para concierges digitais ajudarem pessoas a conseguirem reservar uma mesa num restaurante badalado

A empresa acabou de lançar um chatbot de consultoria de produtos chamado Rufus - disponível para testes para alguns clientes

A empresa acabou de lançar um chatbot de consultoria de produtos chamado Rufus - disponível para testes para alguns clientes

Publicado em 19 de fevereiro de 2024 às 06h57.

Última atualização em 19 de fevereiro de 2024 às 07h11.

A Inteligência Artificial já deixou de ser um assunto para o campo da ficção científica e já entrou na roda de discussões das autoridades mundiais. Foi o principal tema deste ano do Fórum de Davos, por exemplo.

No dia a dia, a IA pode ser útil para criação de desenhos, traduções simples, códigos de sistemas etc. E agora também podemos ter uma IA que pode ser nossa especialista em compras, quase um concierge.

Segundo reportagem do Wall Street Journal, a Amazon já faz uso de tecnologia semelhante. A empresa acabou de lançar um chatbot de consultoria de produtos chamado Rufus - disponível para testes para alguns clientes. A ideia é que o Rufus possa eventualmente completar transações de compra para você sem o processo habitual de colocar itens no carrinho. Já pensou se for possível oferecer uma "gorjeta" para antecipar a entrega para um dia, no máximo?

Isso pode acontecer, por exemplo, se o Rufus souber que outro cliente na sua rua quer devolver o mesmo item que você quer comprar. Daí uma "gorjeta" pode ser o incentivo que seu vizinho precisa para deixar o item na porta da sua em casa em vez de ir a alguma estação de devolução.

E essa questão da gestão de informações não vai só afetar o comércio eletrônico.

Ainda de acordo com o Wall Street Journal, não deve demorar muito para prefeituras usarem tecnologia semelhante para mitigar problemas comuns de grandes metrópoles, como congestionamentos. Um chatbot poderá te ajudar com o melhor plano de transporte antes de sair de casa, incluindo aí informações integradas sobre corredores especiais, semáforos e vagas de estacionamento,

Em São Francisco, por exemplo, o preço de parar na rua é variável e controlado a partir de uma central (auxiliada por IA). A ideia é tentar manter sempre um percentual de vagas abertas.

Com o rápido desenvolvimento, não deve demorar muito para concierges digitais ajudarem as pessoas a conseguirem reservar uma mesa num restaurante badalado ou a comercializar ingressos dos espetáculos mais concorridos A questão é como as ferramentas serão treinadas pelos humanos.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

Para competir com Tesla, Huawei cria negócio de software para carros autônomos

'Uma IA de bolso': com Phi-3, Microsoft quer ampliar a oferta de inteligências artificiais leves

Zuckerberg libera seu metaverso para óculos RV de marcas como Asus, Lenovo e Microsoft

Empresa na Finlândia usa IA para criar blend com café brasileiro

Mais na Exame