Acompanhe:

O Santander Private Banking International, braço do banco espanhol voltado para clientes com alto poder aquisitivo, anunciou nesta semana que vai lançar serviços de negociação e custódia de bitcoin e ether para os seus clientes com conta na Suíça, permitindo que eles comprem e vendam essas criptomoedas.

De acordo com informações divulgadas para o site CoinDesk, o serviço será oferecido para esses clientes apenas mediante uma solicitação junto aos seu gerente de conta. A ideia é que a custódia de criptoativos seja feita de forma regulada, com o banco guardando as chaves privadas da carteira do cliente.

"A regulamentação suíça relacionada aos ativos digitais é uma das primeiras e mais avançadas do mundo, pois proporciona clareza e um ambiente regulatório abrangente para nossos clientes", destacou John Whelan, head criptoativos e ativos digitais do Santander ao justificar a decisão.

Segundo Whelan, "como a participação das criptomoedas como uma classe de ativos alternativa continua a se expandir, esperamos que nossos clientes prefiram confiar nas instituições financeiras existentes para serem responsáveis ​​por seus ativos".

O Santander comentou ainda que pretende expandir nos próximos meses a oferta de criptomoedas disponíveis para negociação e custódia, indo além do bitcoin e do ether. Ele não informou quais ativos poderão ser incluídos, mas destacou que eles precisão atender a alguns critérios do banco.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Aproximação do Santander com ativos digitais

O anúncio do Santander, apesar de ser limitado à Suíça, é mais um passo na aproximação do banco espanhol - um dos maiores do mundo - em relação ao ecossistema de ativos digitais. Além disso, o Brasil também tem recebido a atenção do banco nessa área.

Em entrevista exclusiva à EXAME para falar sobre o Drex - a versão digital do real - Jayme Chataque, head de ativos digitais e blockchain do Santander no Brasil destacou que o país tem atualmente uma "visibilidade global" e é uma "prioridade extremamente alta" do banco devido ao desenvolvimento da moeda digital.

"Isso [o Drex] encoraja outras iniciativas de tokenização de ativos, inclusive os não financeiros. E tende a aumentar a digitalização. O blockchain tem operações 24 horas, nos sete dias da semana. Na medida em que tem outros ativos tokenizados circulando, é um catalisador para acelerar ainda mais a digitalização", ressalta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Edward Snowden: bitcoin é o maior avanço monetário desde a criação das moedas
Future of Money

Edward Snowden: bitcoin é o maior avanço monetário desde a criação das moedas

Há 3 horas

Vitalik Buterin diz que IA pode ajudar Ethereum a superar seu 'maior risco técnico'
Future of Money

Vitalik Buterin diz que IA pode ajudar Ethereum a superar seu 'maior risco técnico'

Há 4 horas

Worldcoin: criptomoeda de dono do ChatGPT dispara 2a00% com interesse em IA
Future of Money

Worldcoin: criptomoeda de dono do ChatGPT dispara 2a00% com interesse em IA

Há 7 horas

Com bitcoin em US$ 52 mil, outra criptomoeda se destaca por alta de mais de 25%
Future of Money

Com bitcoin em US$ 52 mil, outra criptomoeda se destaca por alta de mais de 25%

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais