Acompanhe:

Exchange mexicana traz ex-Nubank para comandar operações no Brasil

Em busca de fatia de mercado bilionário, Bitso chega ao país com apoio de gigantes e quer acirrar disputa com empresas brasileiras

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Jirapong Manustrong/Getty Images)

(Jirapong Manustrong/Getty Images)

G
Gabriel Rubinsteinn

Publicado em 29 de março de 2021 às, 16h36.

Última atualização em 29 de março de 2021 às, 18h12.

A negociação de criptoativos movimenta milhões de reais todos os dias no Brasil e faz do intermédio dessas operações, por parte das exchanges (nome dado às bolsas onde as negociações são realizadas), um negócio bastante lucrativo. E é em busca de uma fatia desse lucro que empresas estrangeiras começam a desembarcar no país. O caso mais recente é o da mexicana Bitso.

Se até pouco tempo atrás o setor era dominado por empresas nacionais como Mercado Bitcoin, Foxbit e BitcoinTrade, o cenário começou a mudar nos últimos meses. As duas primeiras continuam em posição de liderança, mas agora têm a companhia de diversos players estrangeiros - além da recém-chegada Bitso, nomes como das chinesas Binance e NovaDAX e da argentina Ripio, que adquiriu a BitcoinTrade no final de 2020, também buscam seu lugar ao sol.

Para conquistar o território brasileiro, a Bitso, que tem investidores como Pantera Capital e Coinbase, aposta na regionalização, e terá uma equipe no país, comandada por Marcos Jarne, que assume o cargo de country manager da companhia após mais de cinco anos no Nubank.

O executivo é mais um a trocar o mercado financeiro "tradicional" pelo mercado cripto, em um movimento que tem se tornado cada vez mais frequente conforme o setor se desenvolve - recentemente, novos executivos da exchange Mercado Bitcoin fizeram o mesmo. "Acho que além dos mercados cripto e tradicional, existe uma terceira via, que são as fintechs, justamente a de onde eu vim", explicou Jarne à EXAME. "Tenho estudado muito sobre criptoativos, especialmente porque é um mercado dinâmico, com coisas novas surgindo todos os dias", disse, citando os NFTs como um exemplo.

Diferentemente do que acontece, por exemplo, com a Binance, que opera no Brasil através de sua matriz em Singapura, a Bitso, terá registro no país. "A Bitso tem um histórico internacional, mas eu sou brasileiro e temos CNPJ no Brasil", explicou, citando que não vê as regras das autoridades brasileiras para esse tipo de negócio como um empecilho: "Entendemos bem o papel de regulação e acreditamos que o Brasil tem uma visão positiva, que os reguladores estimulam novas tecnologias. As regras do Bacen e da CVM têm como pilares a competitividade, fomento à inovação".

Jarne terá um desafio considerável para levar a Bitso à uma posição de destaque no mercado cripto nacional. Se no México a empresa controla 95% do market share do setor, no Brasil a competitividade é muito mais acirrada. "Ter concorrência não é ruim, pelo contrário. É o que faz o mercado avançar, e o fato de ter mais opções é bom para todos, especialmente para os consumidores", disse o executivo. "Tem espaço para todo mundo", garante.

Ele também falou sobre as estratégias da empresa no Brasil, dizendo que, inicialmente, o foco será em investidores já acostumados ao mercado de criptoativos: "Não dá pra endereçar todo mundo de uma vez. Queremos montar uma boa estrutura, colocar o pé, e neste primeiro momento vamos focar nos investidores que já têm um certo conhecimento do mercado, para depois abrir o leque e expandir".

Jarne também falou sobre o que ele considera serem alguns diferenciais da empresa: "Temos uma proposta de trazer mais transparência, confiança e segurança para os investidores. Somos a única empresa da América Latina que possui licença para fazer custódia de criptoativos [emitida pelo órgão regulador de Gibraltar]. Também somos a única exchange a oferecer seguro contra roubo de carteiras digitais. Por fim, temos uma plataforma intuitiva, fácil de usar, e falamos a língua dos nossos clientes".

Com um volume de negociação estimado pelo site Cointrader Monitor em quase 10 bilhões de reais por mês, o mercado de criptoativos brasileiro tem mostrado crescimento significativo e constante. A chegada de empresas de diversas partes do mundo e o aumento da oferta de produtos e serviços ligados ao setor são apenas mais uma prova disso.

Últimas Notícias

Ver mais
Chegou a hora: halving do bitcoin ocorre nesta sexta; saiba o detalhes
Future of Money

Chegou a hora: halving do bitcoin ocorre nesta sexta; saiba o detalhes

Há 7 horas

JPMorgan diz que preço do bitcoin está “sobrecomprado” provavelmente vai cair após o halving
Future of Money

JPMorgan diz que preço do bitcoin está “sobrecomprado” provavelmente vai cair após o halving

Há 9 horas

Halving não impulsionou máximas sozinho no passado, alega Goldman Sachs
Future of Money

Halving não impulsionou máximas sozinho no passado, alega Goldman Sachs

Há 11 horas

Corretoras cripto recuperaram confiança do público perdida com crise da FTX, diz executivo da OKX
Future of Money

Corretoras cripto recuperaram confiança do público perdida com crise da FTX, diz executivo da OKX

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais