Future of Money

Coinbase demite 20% dos funcionários e culpa situação do mercado cripto

Corretora de criptomoedas afirma que cortes são necessários para manter operações e negou problemas financeiros

Coinbase é a maior corretora de criptomoedas dos Estados Unidos (Chesnot/Getty Images)

Coinbase é a maior corretora de criptomoedas dos Estados Unidos (Chesnot/Getty Images)

Cointelegraph Brasil

Cointelegraph Brasil

Publicado em 10 de janeiro de 2023 às 13h53.

A Coinbase, maior corretora de criptomoedas dos Estados Unidos, está começando 2023 com mais demissões, cortando mais 20% de seus funcionários em uma segunda grande onda de dispensas no atual mercado de baixa.

O CEO da Coinbase, Brian Armstrong, anunciou oficialmente nesta terça-feira, 10, que a empresa cortará 950 empregos como parte das medidas previstas para reduzir os custos operacionais da exchange em cerca de 25% em meio ao atual inverno cripto.

  • Comece seu portfólio de criptomoedas. A Mynt é uma empresa BTG Pactual para você comprar e vender crypto com segurança e atendimento 24 horas. Abra agora sua conta e desbloqueie seu mundo crypto.

Armstrong enfatizou que a Coinbase está “bem capitalizada” e que as criptomoedas “não vão acabar”, mas a empresa precisa proceder com novas demissões para manter a “eficiência operacional apropriada." Como parte de uma redução de pessoal, a exchange encerrará vários projetos com “menor probabilidade de sucesso”, observou o CEO, sem especificar quais exatamente seriam sacrificados.

“Na verdade, acredito que os eventos recentes acabarão beneficiando muito a Coinbase”, afirmou Armstrong, referindo-se à crescente clareza regulatória e às oportunidades da exchange devido ao colapso da FTX.

Ele disse ainda que “levará tempo para que essas mudanças se concretizem, e precisamos garantir que tenhamos a eficiência operacional apropriada para enfrentar a desaceleração do mercado de criptomoedas e capturar eventuais oportunidades que possam surgir".

O anúncio da Coinbase é acompanhado pelo formulário da empresa junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), que afirma que as demonstrações financeiras auditadas da companhia para 2022 ainda não estão disponíveis.

Como parte do plano de reestruturação para redução de seus custos operacionais, a Coinbase espera gastar cerca de US$ 149 milhões a US$ 163 milhões, incluindo US$ 58 milhões a US$ 68 milhões em despesas de caixa relacionadas a indenizações de funcionários e outros benefícios de rescisão.

A corretora de criptomoedas espera que a execução do plano esteja substancialmente concluída até o segundo trimestre de 2023, informam os documentos arquivados junto à SEC. As novas demissões ocorreram meses depois que a Coinbase inicialmente reduziu seu quadro de funcionários em 18% em junho de 2022, ocasião em que Armstrong citou o provável início de uma recessão econômica.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:CriptoativosCriptomoedas

Mais de Future of Money

Bitcoin só voltará a disparar após eleições nos EUA, diz CEO de gestora de R$ 40 bilhões

Criptomoeda ligada ao Telegram estreia no mercado com disparada de 4.650% e alta volatilidade

IA e blockchain: a união do futuro? Apostando no setor, BTG disponibiliza duas novas criptos na Mynt

Morgan Stanley revela investimento de mais de R$ 1 bilhão em ETFs de bitcoin

Mais na Exame