BC dinamarquês: 'big techs', e não criptomoedas, são a verdadeira ameaça

Embora o governador do Danmarks Nationalbank pareça propenso à ignorar as criptomoedas, outros bancos do país continuam a lançar novos serviços baseados em criptomoedas.

Os volumes de negociação de criptomoedas continuam a aumentar, mas os bancos centrais de vários países estão propensos à ignorar esse crescimento. O Banco Central da Dinamarca foi o último a aderir à narrativa de "criptomoedas são insignificante". Lars Rohde, governador do banco central do país, não vê o aumento da negociação das criptomoedas como uma ameaça econômica séria.

“Eu estou propenso à ignorar isso”, ele disse a Bloomberg. “Acho que o termo moeda é mal usado aqui. A maioria das moedas armazenam valor ou são meios de transação. Não há estabilidade nem garantia sobre o valor das criptomoedas. ”

"As criptomoedas, na melhor das hipóteses, são ativos especulativos", acrescentou.

Quando questionado sobre os movimentos dos bancos centrais para reduzir a rivalidade especulativa das criptomoedas, ele admitiu que está mais atento aos movimentos das grandes empresas de tecnologia no campo de pagamentos. A invasão das grandes empresas de tecnologia na área monetária é muito mais interessante, opinou ele.

“Se os gigantes da tecnologia conseguirem controlar os meios de transação, isso poderá ser uma ameaça real à autonomia e independência dos bancos centrais.”

A Dinamarca foi um dos primeiros países a explorar a possibilidade de uma moeda digital de banco central, ou CBDC. O Danmarks Nationalbank descartou a ideia após um estudo de um ano de 2016 a 2017, decidindo que uma solução CBDC pouco faria para melhorar a atual infraestrutura financeira do país.

A opinião do banco central não parece ter tido muito efeito sobre outros bancos do país. Esta semana, por exemplo, o Saxo Bank da Dinamarca anunciou que está lançando um novo produto de criptomoedas FX. Isso permitirá que os usuários do Oriente Médio e do Norte da África, ou da região MENA, negociem as principais criptomoedas, como bitcoin , ether e litecoin por moedas fiduciárias em uma única conta de margem.

Outros bancos centrais em todo o mundo deram vozes diferentes às criptomoedas. O Banco Central do Kuwait emitiu um alerta sobre o uso as criptomoedas na semana passada, enquanto o banco central do Canadá disse que considera o bitcoin e outros criptoativos de alto risco "porque seu valor intrínseco é difícil de estabelecer".

De Nederlandsche Bank NV, o banco central holandês, assumiu uma posição neutra sobre a negociação das criptomoedas em um comunicado recente que observou: “Uma criptomoedas não representa nada. Não é uma participação em nada. Não é um empréstimo que é devolvido com juros. ”

por Cointelegraph Brasil

No curso "Decifrando as Criptomoedas" da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o seu funcionamento. Confira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também