Future of Money

Brasileiros investem R$ 9,1 milhões nos fundos de criptomoedas em semana de reação global

Dados mais positivos ligados à economia dos Estados Unidos animaram investidores e impulsionaram fluxos em fundos de criptomoedas

Mercado de criptomoedas teve reação na última semana (Reprodução/Reprodução)

Mercado de criptomoedas teve reação na última semana (Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 20 de maio de 2024 às 15h13.

Os investimentos do Brasil em produtos negociados em bolsa que oferecem exposição a criptomoedas alcançaram US$ 1,8 milhão, cerca de R$ 9,1 milhões na cotação atual, no acumulado semanal encerrada na última sexta-feira, 17, quando os aportes globais totalizaram US$ 932 milhões em entradas líquidas, de acordo com a CoinShares.

Segundo o levantamento da gestora, o volume de negociações do segmento somou US$ 10,5 bilhões na última semana, ante US$ 8 bilhões da semana anterior. A alta sucedeu o anúncio do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) dos Estados Unidos referente a abril, que teve um resultado abaixo do esperado pelos analistas.

O dado indicou uma desaceleração da inflação norte-americana e animou investidores, resultando em um fluxo mais significativo para ativos como a criptomoeda. Do total de investimentos na semana passada, 89% ocorreu após a divulgação do dado.

O alto fluxo de entrada foi comandado pelos Estados Unidos, cujos investidores aportaram pouco mais de US$ 1 bilhão. Ainda no campo positivo, além do Brasil, a Suíça, Alemanha e Austrália registraram entradas líquidas de US$ 27,1 milhões, US$ 4,2 milhões e US$ 1,5 milhão, respectivamente.

No vermelho, Hong Kong, Canadá e Suécia registraram saídas líquidas de US$ 82,5 milhões, US$ 16,7 milhões e US$ 5,9 milhões, nos fundos oferecidos em suas bolsas, respectivamente.

O acumulado de ativos sob gestão (AuM, na sigla em inglês) voltou a crescer, chegando em um volume de US$ 91,79 bilhões.

Na divisão por país, o Brasil avançou para US$ 907 milhões, ante US$ 834 milhões da sondagem anterior, e permaneceu à frente de Hong Kong, que acumulou US$ 484 milhões. Na liderança, os Estados Unidos respondem por US$ 64,77 bilhões, seguido por Suíça, Suíça, Canadá, Alemanha e Suécia, em volumes de US$ 4,37 bilhões, US$ 4,46 bilhões, US$ 3,85 bilhões e US$ 3,05 bilhões, respectivamente.

Já na divisão por criptoativo, o bitcoin respondeu por US$ 942 milhões em entradas líquidas, seguido por Solana, Chainlink, Cardano, short bitcoin e litecoin, com volumes de US$ 4,9 milhões, US$ 3,7 milhões, US$ 1,9 milhão, US$ 600 mil e US$ 500 mil, respectivamente, enquanto outras criptomoedas alternativas totalizaram US$ 2,9 milhões.

Na ponta negativa, o ether registrou US$ 23,3 milhões em saídas líquidas enquanto fundos multiativos recuaram em US$ 1,7 milhão.

Com exceção dos US$ 6 milhões em saques líquidos nos produtos da gestora CoinShares XBT, os principais provedores de fundos cripto fecharam a semana com mais investimentos do que perdas. A Fidelity encerrou o período com US$ 344 milhões em entradas líquidas, seguido pelos ETFs da Ark Invest, da Bitwise e da BlackRock.

Na semana anterior, os investidores brasileiros aportaram R$ 1,5 milhão nos fundos de criptomoedas.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Mineradoras de bitcoin listadas nos EUA atingem maior valor da história

Cenário macro dos EUA pode apagar otimismo do bitcoin em 2024? Entenda

ETFs de ether vão ser lançados nos EUA em 2 de julho, projeta Bloomberg

Bitcoin pode valer US$ 1 milhão até 2033, estima corretora

Mais na Exame