Future of Money

Conheça 5 formas de usar inteligência artificial para investir em criptomoedas

Para especialista, tecnologia pode ajudar a reduzir vieses de investimento e tomada de decisões baseadas na emoção

Inteligência artificial tem ganhado espaço em empresas e investidores (Reprodução/Reprodução)

Inteligência artificial tem ganhado espaço em empresas e investidores (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 21 de agosto de 2023 às 17h57.

Última atualização em 21 de agosto de 2023 às 18h26.

O avanço da chamada inteligência artificial generativa em 2023 expandiu e facilitou o acesso a essa tecnologia por parte de empresas e pessoas, permitindo que ela seja aplicada de diferentes, e novas, formas em várias áreas. E uma delas é no mundo dos investimentos, com projetos e estudos que já vêm sendo desenvolvidos na intersecção entre os dois temas.

A inteligência artificial já é usada no mercado financeiro há alguns anos. Entretanto, o seu uso ainda estava mais restrito a empresas. Agora, essa tecnologia pode ser usada até por investidores de varejo para "agregar valor, gerando resultados em números para nós". É o que avalia Gustavo Mee, especialista em inteligência artificial.

Mee acredita que a tecnologia consegue "otimizar investimentos", ajudando no processo de tomada de decisão a aumentando a taxa de acerto. Confira cinco formas de usar ferramentas de inteligência artificial no investimento em criptomoedas:

1. Análise de sentimento

Segundo Gustavo Mee, a tecnologia pode ser uma boa ferramenta para realizar as análises de sentimento de mercado, importantes para entender como os investidores estão avaliando determinados acontecimentos e como essas perspectivas podem afetar a cotação de ativos, incluindo de criptomoedas.

"Como a inteligência artificial não tem o fator humano, o fator de emoções para tomada de decisão, ela consegue analisar muito bem o sentimento do mercado de acordo com vários índices que a gente tem, e de acordo principalmente com as notícias, o que elas geram de sentimento no mercado", explica o especialista.

Com isso, ele afirma que a tecnologia consegue fazer uma boa análise sobre o impacto de notícias no sentimento do mercado em precificação de "ações, criptomoedas, fundos imobiliários e qualquer coisa ligada ao mercado financeiro".

2. Análise de risco

Gustavo Mee diz que a inteligência artificial consegue fazer uma "análise de risco interesse para investimentos", já que ela não inclui o "fator humano" em suas análises. "Ela não se envolve emocionalmente na hora de comprar, não tem preferências, um mercado que conheça mais e atua melhor. Então é muito interessante e importante para gestão de risco, ela consegue fazer de forma mais fria e calculista, gerando mais retorno no longo prazo".

Na visão de Mee, a vantagem do uso da tecnologia está em um foco de ganho maior e mais seguro no longo prazo, de "pelo menos 10 anos", em que é possível ter uma "velocidade de crescimento menor, mas com uma gestão melhor executada".

yt thumbnail

3. Otimização de portfólio

Outra forma de usar a inteligência artificial para investir em criptomoedas está na otimização de portfólio de investimento de cada pessoa. Mee explica que a tecnologia pode ser usada "buscando melhores oportunidades, fazer sempre uma análise de custo e benefício do investimento para entender os de mais e menos risco e potencial de ganho no pongo prazo".

No caso do investimento de criptomoedas, a revisão de portfólio é importante, pensando tanto na alocação total do portfólio para esse segmento quanto em possíveis realocações esporádicas de investimentos em determinas ativos digitais. Com isso, a tecnologia pode ajudar nas duas atividades.

4. Análise algorítmica

O especialista em inteligência artificial afirma que a tecnologia também pode ser usada na chamada "análise algorítmica" de um investimento. Nela, é possível "avaliar e fazer comparações analisando gráficos, com uma capacidade de análise da inteligência artificial que costuma ser muitas vezes maior que a de humanos".

A partir do uso dessas ferramentas, um investidor consegue "correlacionar dados de forma muito mais rápida e mais eficaz que o cérebro humano, já que a inteligência artificial é treinada para isso, para ter uma velocidade de correlacionar e comparar dados muito maior".

5. Conselheiro pessoal

Por fim, Gustavo Mee acredita que uma tendência no mercado financeiro é o uso da inteligência artificial para criar um "conselheiro pessoal" para cada investidor, ajudando-os a tomar "as melhores decisões de investimentos" ao combinar habilidades ligadas aos quatro pontos citados anteriormente.

"Eu acho que essa tecnologia deve dominar o mercado financeiro, e quem usar essas ferramentas ao seu favor, sem dúvida vai ter resultados muito maiores. O day trade sempre fica a favor de quem tem mais volume de dinheiro operando, é quem costuma ganhar mais. Com os conselheiros de inteligência artificial, e alguns já estão sendo criados, a gente vai ter uma equidade, o jogo pode se tornar mais justo para quem tem menos volume para operar no mercado", explica.

Esse anúncio da Mynt não foi escrito por uma Inteligência Artificial. Mas somos tecnológicos. Nossa segurança é de ponta e nossa curadoria, de excelência. O que falta para você investir em crypto com a Mynt?

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialCriptomoedasCriptoativosInvestimentos-pessoais

Mais de Future of Money

Itaú pode oferecer investimentos em cripto no Paraguai de olho em mineração de bitcoin no país

SEC suspende investigação sobre ether e anima investidores da criptomoeda

Com bitcoin “de lado”, ether dispara e uma criptomoeda sobe 22%; entenda

Prefeitura do RJ anuncia parceria com ABcripto para conscientização sobre criptoativos

Mais na Exame