Esporte

Com Netflix, fã da NFL nos EUA terá que gastar R$ 8 mil com streaming para ver jogos

Empresa vai transmitir dois jogos no Natal deste ano e ao menos um na mesma data em 2025 e 2026

Para ver Patrick Mahomes, dos Chiefs, ou Josh Allen, dos Bills, torcedor terá que abrir a carteira (Ryan Kang/Getty Images)

Para ver Patrick Mahomes, dos Chiefs, ou Josh Allen, dos Bills, torcedor terá que abrir a carteira (Ryan Kang/Getty Images)

Publicado em 16 de maio de 2024 às 09h31.

No jargão do futebol como nós, brasileiros, conhecemos, a Netflix marcou um "golaço" ao anunciar um acordo de três temporadas com a NFL (liga profissional de futebol americano) para exibir dois dos jogos no dia de Natal deste ano - Baltimore Ravens x Houston Texans e Kansas City Chiefs (atual campeão) x Pittsburgh Steelers - e ao menos um na mesma data em 2025 e 2026.

Para aqueles que se preocupam com a capacidade da Netflix de expandir seu negócio de publicidade, a parceria com a NFL é um grande avanço. Os anunciantes pagarão muito pelo público que assiste aos esportes ao vivo e, ao contrário dos programas de TV e filmes, esse tipo de espectador espera ver anúncios durante os intervalos das jogadas no campo.

A empresa não divulgou os termos financeiros do acordo. A Bloomberg News, que deu o furo sobre as negociações, disse que a Netflix pagará menos de US$ 150 milhões por jogo pelos direitos internacionais de transmissão. O serviço de streaming voltou-se para eventos ao vivo e esportes nos últimos meses para reter usuários e construir seu negócio de publicidade à medida que o crescimento se satura no mercado dos EUA.

Preço alto para os fãs nos EUA

A NFL continua se voltando para as plataformas de streaming e se afastando de seus parceiros tradicionais de transmissão. À medida que a liga busca novas formas de chegar aos fãs do esporte, o custo para os torcedores que querem acompanhar a temporada continua a aumentar. Agora com a Netflix, serão sete o número total de serviços necessários para assistir a todos os jogos da liga. Os espectadores nos EUA precisarão de uma assinatura de TV a cabo ou do YouTube, bem como do Sunday Ticket, Amazon Prime Video, Peacock, ESPN+, NFL+ e Netflix.

Segundo levantamento do The Guardian, os fãs que assinarem todos os serviços para ter acesso a toda a programação da NFL de 2024 gastarão algo em torno US$ 1.600, tendo base nos preços da última temporada e na oferta atual mais barata da Netflix. Esse valor, porém não inclui o custo de um serviço de internet necessário para executar uma opção somente de streaming.

De acordo com a OpenVault, o preço médio que os americanos pagaram pelo serviço de internet em 2022 foi de US$ 64 por mês. Isso elevará o gasto total para mais de US$ 2.000 para cobrir a temporada regular da NFL, os playoffs e o Super Bowl.

A situação fica ainda pior para os assinantes de TV a cabo, que ainda precisarão assinar a NFL+, ESPN+, Peacock, Amazon Prime e Netflix, além de sua assinatura de TV a cabo, para poder assistir à liga inteira. Quatro plataformas de streaming terão jogos exclusivos em 2024.

Os consumidores podem encontrar soluções alternativas. Testes gratuitos e assinaturas de curto prazo podem ser usados para diminuir parte do custo. Clientes da Netflix, por exemplo, podem se inscrever para o mês de dezembro para assistir aos jogos de Natal e depois cancelar a assinatura em janeiro. No entanto, a distribuição de jogos em outras plataformas de streaming foi projetada para reter os consumidores por vários meses. Ao contrário do acordo da Netflix para o dia de Natal, o Thursday Night Football é transmitido durante toda a temporada no Amazon Prime. A Peacock transmitirá três jogos exclusivos em 2024: o primeiro jogo da temporada regular da liga em São Paulo, em setembro - Philadelphia Eagles x Green Bay Packers, no estádio do Corinthians -, um confronto da temporada regular em dezembro e um jogo de playoff em janeiro.

Acompanhe tudo sobre:Netflix

Mais de Esporte

Jogos de hoje, quinta-feira, 16, onde assistir ao vivo e horários

CBF suspende duas rodadas da série A do Brasileirão; entenda a decisão

Mais na Exame