Acompanhe:

Após vencer todos os jogos na fase de grupos e garantir classificação para as semifinais com vitória no último final de semana, os três clubes brasileiros que disputam a Libertadores Feminina seguem com 100% de aproveitamento na competição e se colocam como favoritas na briga pelo título.

De um lado o Palmeiras enfrenta o Atlético Nacional-COL – único time estrangeiro ainda na disputa – na próxima terça-feira, 17, e do outro, o Corinthians encara o Internacional na quarta-feira, 18.

O retrospecto recente também está a favor das equipes brasileiras, que venceram as últimas quatro edições do torneio. Os títulos do Palmeiras em 2022, da Ferroviária em 2020, e do Corinthians nos anos de 2019 e 2021, reafirmam a recente hegemonia.

"Logo na primeira fase da Copa Libertadores Feminina foi demonstrada a grandeza dos clubes brasileiros na competição, uma vez que todos os participantes do país já haviam garantido antecipadamente a classificação para as quartas de final. Creio que para alcançar grandes resultados é necessário investir e dar estrutura para a base, como acontece nas grandes potências mundiais. A base é uma parte vital do processo para o desenvolvimento da modalidade e investir nesta categoria significa projetar o futuro e trabalhar em prol da consolidação do futebol feminino no país", afirma Camila Estefano, General Manager do Em Busca de Uma Estrela, projeto social que dá a oportunidade de desenvolvimento, crescimento e sucesso para meninas que querem ser atletas profissionais.

As brasileiras na Libertadores

Após liderar o grupo A, o atual campeão Palmeiras passou pelo Olímpia nas quartas de final com uma goleada por 6 a 0 em cima do time paraguaia. Já o Corinthians, que conquistou o torneio em três das últimas seis edições, esteve no grupo C e, nas quartas, venceu o América de Cali por 4 a 0. A equipe segue sem sofrer gols na competição.

Estreantes na Libertadores Feminina, as Coloradas, por sua vez, lideraram o grupo D e confirmaram a vaga na semifinal após despachar o Colo-Colo em vitória por 4 a 2. A equipe garantiu a inédita participação no torneio internacional após chegar à final do Campeonato Brasileiro de 2022 justamente contra o Corinthians, adversário na próxima fase. Nos últimos anos, o time vem conquistando títulos regionais, como o Campeonato Gaúcho de 2017, 2019, 2020 e 2021. Já fora das quatro linhas, com o objetivo de tornar a modalidade feminina autossustentável, a diretoria do clube ainda vem trabalhando ano a ano com orçamento em crescimento. Na atual temporada, é da ordem de 40% maior em relação a 2022.

“A participação nessa edição da Libertadores representa o ponto mais alto alcançado pelo clube na modalidade até os dias de hoje. Considerando que o nosso primeiro departamento feminino foi implantado há exatos 40 anos, em 1983, é um feito a ser reconhecido e comemorado. Esperamos coroar com o título todo o apoio e esforço que a diretoria do clube tem empregado na modalidade, além de toda a entrega e dedicação das atletas e colaboradores”, avalia Leonardo Menezes, diretor das categorias de base do Internacional.

Potencial

Para Fábio Wolff, membro do comitê organizador do Brasil Ladies Cup, torneio amistoso que ocorre ao final da temporada e tem sua terceira edição confirmada para 2023, o potencial comercial da categoria impulsiona os investimentos dos times no esporte: "A crescente evolução do futebol feminino tem despertado o interesse de um número crescente de empresas em investir nessa modalidade, o que, por sua vez, fortalece o esporte e caminha em paralelo com o desenvolvimento da categoria”, avalia.

Conquistando mais espaço na TV e maior prestígio no Brasil e no mundo, o futebol feminino vem apresentando uma crescente nos últimos anos. Entre as finais do Campeonato Brasileiro Feminino, de 2022 e de 2023 foram registrados os três maiores públicos da história da modalidade no país, sendo o maior o do jogo decisivo deste ano entre Corinthians e Ferroviária, quando mais de 42 mil torcedores estiveram presentes. Já fora do Brasil, a Copa do Mundo feminina de 2023 também registrou os recordes de quase 2 milhões de espectadores nos estádios e de 2 bilhões de pessoas assistindo à competição em todo o mundo, conforme divulgou a FIFA.

Armênio Neto, especialista em negócios do esporte e sócio-fundador da Let's Goal, afirma: “O futebol feminino é uma realidade crescente, com números que aumentam a cada dia, tornando-se uma plataforma valiosa para os times se conectarem com seus públicos, além de trazer oportunidades de novas receitas aos clubes.”

Seguindo essa crescente, a Conmebol decidiu mudar significativamente o valor da premiação da Libertadores feminina em 2023, com a distribuição de US$3,35 milhões entre os 16 clubes participantes. O aumento é de 55% em relação à edição de 2022. No ano passado, o prêmio era de US$1,7 milhão para o campeão.

“O aumento das cifras para a atual edição explicita que o futebol sul-americano feminino também apresenta importante potencial para a geração de receitas. Os maiores valores envolvidos também podem tornar a competição ainda mais atraente e rentável”, explica Rogério Neves, CEO da Motbot, primeira plataforma brasileira de crowdfunding esportivo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Jogos de hoje, quinta-feira, 18, onde assistir ao vivo e horários
Esporte

Jogos de hoje, quinta-feira, 18, onde assistir ao vivo e horários

Há 17 horas

Palmeiras x Internacional: onde assistir, horário e escalações pelo Campeonato Brasileiro
Esporte

Palmeiras x Internacional: onde assistir, horário e escalações pelo Campeonato Brasileiro

Há um dia

Corinthians x Juventude: onde assistir, horário e escalações pelo Campeonato Brasileiro
Esporte

Corinthians x Juventude: onde assistir, horário e escalações pelo Campeonato Brasileiro

Há um dia

Jogos de hoje, quarta-feira, 17, onde assistir ao vivo e horários
Esporte

Jogos de hoje, quarta-feira, 17, onde assistir ao vivo e horários

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais