ESG

Raízen investe em startup que gera energia limpa para residências e dispensa painel solar

O processo de adesão do serviço pode ser feito de forma 100% digital  e não é necessário investimento inicial ou alteração na infraestrutura das residências dos clientes, pois a energia consumida continuará sendo entregue pela concessionária local

Investimento da Raízen é mais um passo para transição energética (Raízen/Divulgação)

Investimento da Raízen é mais um passo para transição energética (Raízen/Divulgação)

Marina Filippe
Marina Filippe

Repórter de ESG

Publicado em 23 de maio de 2023 às 11h29.

A empresa Raízen, cada vez mais focada na transição energética, anuncia um investimento na Reverde, startup especializada na gestão comercial de Usinas de Geração Distribuída de Energia na modalidade de Geração Compartilhada. A novidade ocorre em parceira com o Grupo Gera.

A Reverde é estratégica para os negócios ao oferecer um serviço de assinatura de energia limpa para pessoas físicas, dispensando a instalação de painéis solares. O investimento da Raízen na startup reforça a intenção da companhia como uma plataforma em soluções de energia, ao oferecer um vasto portfólio de produtos renováveis para atender as diferentes necessidades da sociedade em prol da descarbonização.

O processo de adesão do serviço pode ser feito de forma 100% digital  e não é necessário investimento inicial ou alteração na infraestrutura das residências dos clientes, pois a energia consumida continuará sendo entregue pela concessionária local. A Reverde realiza a gestão do mecanismo de compensação por meio de tecnologia e processos proprietários, sendo que o pagamento é realizado pelo cliente mediante fatura única emitida pela própria startup.

“A parceria possibilita que clientes com contas relativamente baixas, de pelo menos R$ 150, possam aderir um plano de energia limpa em aproximadamente 5 minutos. Fora isso, os descontos na conta de luz podem chegar a 15%, dependendo da região e plano de adesão, ou seja, é muito benéfico e ainda é sustentável”, diz Danilo Leite, gerente de inovação de negócios da Raízen.

O executivo ressalta o desenvolvimento de tecnologia com foco no consumidor. “Queremos impulsionar a inovação aberta e oferecer soluções mais econômicas, sustentáveis e eficientes para os clientes, incentivando a transformação da matriz energética e acelerando a nossa meta de redefinir o futuro da energia”.

Energia limpa

Atualmente, a Reverde atua nos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, com presença em 876 municípios, nas áreas de cobertura das distribuidoras Cemig e Light. Como parte de seu projeto de expansão para outras regiões do Brasil, a empresa acaba de iniciar operação nas áreas de concessão da CPFL Paulista, Equatorial Alagoas e Enel RJ, distribuidoras que operam no interior de São Paulo, Alagoas e no Rio de Janeiro, respectivamente. Com a expansão, a startup ampliará sua atuação para mais de 1200 municípios brasileiros.

“Estamos felizes em ter a Raízen como parceira da Reverde. Uma parte do aporte será direcionada para o time de tecnologia desenvolver a melhor experiência para os clientes realizarem a sua transição energética. Outra parte será destinada para levar a solução de energia limpa para mais pessoas, em mais estados”, afirma Felipe Mattos, CEO da Reverde.

O aporte vem na esteira do crescimento das empresas do setor. Em 2022, a solar se tornou a segunda maior fonte de energia do Brasil, de acordo com dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), com capacidade de geração de 23,9 gigawatts.

Parceria da Raízen com o Grupo Gera: aposta em startups

A partir do portfólio de soluções em geração distribuída, a Raízen tem fechado uma série de contratos com grandes marcas brasileiras, oferecendo uma solução alternativa para redução das emissões de carbono e dos custos com energia. Após a formação da Joint Venture (JV) com o Grupo Gera, a companhia vem acelerando, por meio da Gera Soluções, sua estratégia de crescimento em GD, renováveis e agregando novas soluções, como Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e biogás a partir de resíduos urbanos.

Todas as startups do Grupo Gera tiveram investimentos da Raízen. As startups são: Diel, focada em eficiência energética para os mercados de refrigeração; Holu, com atuação na instalação de painéis solares para clientes comerciais e residenciais; e a Tyr, com foco na agregação de cargas de condomínios para o mercado livre de energia. Além disso, a companhia também realizou investimento na Tupinambá Energia para acelerar o desenvolvimento de redes de carregamento para veículos elétricos no Brasil.

 

Acompanhe tudo sobre:EnergiaEnergia solarRaízenStartups

Mais de ESG

Brasil tem 1.942 cidades com risco de desastre ambiental

Na Inglaterra, Celso Athayde conta sobre a Conferência Internacional das Favelas

Vibra capacita motoristas e frentistas em ação contra a exploração sexual de crianças e adolescentes

Por que no dia 17 de maio é celebrado o dia mundial da reciclagem?

Mais na Exame