Pinterest proíbe publicações com desinformação sobre mudanças climáticas

Pressionada pelo relatório climático divulgado pela ONU, a empresa afirmou, em carta aberta, que vai proibir conteúdos que espalhem desinformação. Entenda o motivo.
A preocupação com assuntos de sustentabilidade não é novidade. A sigla ESG vem do inglês Environmental (Ambiental, E), Social (Social, S) e Governance (Governança, G), e foi criada em 2004 pela ONU e pelo Banco Mundial para engajar as empresas nesses temas. (Chesnot / Colaborador/Getty Images)
A preocupação com assuntos de sustentabilidade não é novidade. A sigla ESG vem do inglês Environmental (Ambiental, E), Social (Social, S) e Governance (Governança, G), e foi criada em 2004 pela ONU e pelo Banco Mundial para engajar as empresas nesses temas. (Chesnot / Colaborador/Getty Images)
D
Da redação

Publicado em 18/04/2022 às 13:54.

Última atualização em 02/05/2022 às 21:32.

Na última semana, o Pinterest entrou para a lista das empresas comprometidas com as mudanças climáticas, após receber uma carta aberta da The Conscious Advertising Network (CAN)

A mensagem foi endereçada também à presidência da COP 26, à UNFCCC e aos CEOs do Facebook, Instagram, Google, Twitter, TikTok e Reddit e pedia ao Pinterest e a outras grandes empresas de tecnologia que reprimissem, principalmente, a desinformação climática.

Na carta, a CAN diz “O problema que estamos tentando resolver é que muitas das grandes plataformas de tecnologia atualmente não têm políticas de desinformação climática. Em agosto de 2021, um estudo da New Guard e da Comscore descobriu que US$ 2,6 bilhões estavam sendo gastos por grandes marcas anunciando em sites de desinformação. Claramente, há um risco significativo de que a COP 26 possa ser seriamente prejudicada por desinformação ou mesmo que a violência possa ser inspirada por essa desinformação. Isso deve mudar.”

Por que as empresas estão preocupadas, cada vez mais, com sustentabilidade? Clique aqui e entenda.

Para isso, a carta aberta pede às empresas de tecnologia que:

  • Implementem políticas de desinformação sobre o clima que se estendam ao conteúdo, algoritmos e a publicidade;
  • Produza e divulgue um plano empresarial 100% transparente para eliminar a disseminação de desinformação climática em sua plataforma;
  • Compartilhe sua pesquisa interna sobre como a desinformação climática se espalha em sua plataforma com pesquisadores e jornalistas.

O que será proibido postar no Pinterest?

De acordo com a própria rede social em resposta à carta aberta, será proibido dentro da plataforma qualquer tipo de:

  • Conteúdo que negue a existência ou os impactos das mudanças climáticas, a influência humana nas mudanças climáticas ou que as mudanças climáticas sejam apoiadas por consenso científico;
  • Conteúdo falso ou enganoso sobre soluções para mudanças climáticas que contradizem consenso científico bem estabelecido;
  • Conteúdo que deturpe dados científicos, inclusive por omissão ou escolha seletiva, a fim de minar a confiança na ciência climática e nos especialistas;
  • Conteúdo prejudicial falso ou enganoso sobre emergências de segurança pública, incluindo desastres naturais e eventos climáticos extremos.

ESG será o futuro de todas as empresas?

A preocupação com assuntos de sustentabilidade não é novidade. A sigla ESG vem do inglês Environmental (Ambiental, E), Social (Social, S) e Governance (Governança, G), e foi criada em 2004 pela ONU e pelo Banco Mundial para engajar as empresas nesses temas.

O objetivo é beneficiar os negócios, as pessoas e o meio ambiente, sem que as empresas deixem de lucrar por isso. E, cada vez mais, os consumidores e investidores se importam com o tema. Segundo relatório da PwC, 57% dos ativos de fundos mútuos na Europa estarão em investimentos que consideram os critérios ESG até 2025. Ainda, 77% dos investidores institucionais afirmam que planejam parar de comprar produtos não-ESG nos próximos dois anos.

Recentemente, as empresas de tecnologia são as que mais enfrentam pressões para conter a desinformação climática, movimento que provavelmente não vai acabar tão cedo. O Google, por exemplo, anunciou em outubro que deixaria de veicular anúncios em vídeos e conteúdo do YouTube promovendo falsas alegações sobre as mudanças climáticas, embora uma pesquisa do Centro de Combate ao Ódio Digital (CCDH) tenha descoberto que isso não estava sendo 100% seguido.

Outro exemplo é a Meta, que disse no ano passado que começaria a rotular algumas postagens sobre mudanças climáticas com links para seu “Centro de Informações sobre Ciência do Clima”. No entanto, em fevereiro, a CCDH disse que a gigante da tecnologia rotulou somente metade das postagens dos principais editores mundiais de negação climática.

Entenda como o ESG pode afetar os negócios e seus investimentos ainda esse ano

Todas as empresas inovadoras têm uma característica em comum: alto padrão ESG. Isso significa que elas levam a sério as práticas sociais, ambientais e de governança. Afinal, quem não se adapta às transformações repentinas no mundo dos negócios pode ficar para trás.

Pensando nisso, a EXAME Academy desenvolveu um curso completo, chamado ESG: A Revolução da Sustentabilidade, para que você fique por dentro do mercado que está mais em alta em 2022 e promete ser o foco de grandes líderes e investidores nos próximos anos.

O curso é dividido em 4 módulos, confira os conteúdos:

Módulo 1 

  • O que é ESG e seu papel?
  • O E, o S e o G
  • Materialidade
  • Depoimento
  • Estudo de Harvard

Módulo 2

  • Escala de sustentabilidade
  • Benefícios do ESG para empresas
  • Depoimento: Carlo Pereira, Pacto Global
  • Depoimento: Carlo Pereira, Pacto Global

Módulo 3

  • Sustentabilidade mudando negócios
  • Depoimento I: Tadeu Almeida da Repassa
  • Depoimento II: Paulo Batista da Alicerce
  • Depoimento: Ciro Tourinho, da Not Co. Brasil
  • Depoimento: Lemon Energia

Módulo 4

  • Diversidade
  • O profissional da sustentabilidade nas empresas

QUERO SABER MAIS SOBRE O CURSO DE ESG DA EXAME ACADEMY