ESG

Para reduzir emissões, correio alemão abandona aviões no transporte doméstico

A Deutsche Post ainda dependerá de avisões para as correspondências internacionais, que serão transportadas no porão de voos regulares de passageiros; hoje, cerca de 2,4% das emissões de CO2 vêm da aviação

Deutsche Post: "Em tempos de mudanças climáticas, o correio aéreo para cartas domésticas dentro da Alemanha já não pode ser justificado", diz executivo (Divulgação)

Deutsche Post: "Em tempos de mudanças climáticas, o correio aéreo para cartas domésticas dentro da Alemanha já não pode ser justificado", diz executivo (Divulgação)

Paula Pacheco
Paula Pacheco

Jornalista

Publicado em 1 de abril de 2024 às 07h30.

Na madrugada da última sexta-feira, 28 de março, a Deutsche Post descontinuou a sua rede de correio aéreo noturno na Alemanha depois de 63 anos de operação. Foram os últimos voos da Eurowings e da Tui Fly com o transporte de cartas no trecho norte e sul da Alemanha, nas rotas Stuttgart-Berlim, Hanover-Munique e Hanover-Stuttgart. A decisão da Deutsche Post está relacionada à decisão de reduzir as emissões de CO2.

Dados de 2023 revelam que cerca de 2,4% das emissões globais de CO2 vêm da aviação. Quando se somam outros gases e os rastros de vapor d'água produzidos pelas aeronaves, a indústria é responsável por, aproximadamente, 5% do aquecimento global.

Pela estrada

A partir de agora, a correspondência nestas rotas passa a ser transportada exclusivamente por via rodoviária. Segundo cálculos da empresa, a redução de emissões de CO2 nestas rotas deve ultrapassar os 80%.

"Em tempos de mudanças climáticas, o correio aéreo para cartas domésticas dentro da Alemanha já não pode ser justificado, também porque já não existe a mesma urgência associada ao correio postal como nas décadas passadas. Portanto, por um lado, o fim do correio aéreo doméstico é uma boa notícia para o meio ambiente", afirma Marc Hitschfeld, diretor de Operações da divisão Post & Parcel Germany do Grupo DHL, por meio de nota.

Segundo a empresa, até 1996, a Deutsche Post ainda transportava cerca de 430 toneladas métricas de correspondência. Eram usadas 26 aeronaves de companhias aéreas parceiras para atender a 45 destinos todas as noites. No final, foram apenas 53 toneladas, com seis aeronaves atendendo nas rotas Stuttgart-Berlim, Hanover-Munique e Hanover-Stuttgart (cada uma em ambas as direções). Isso totalizou cerca de 1,5 milhão de cartas transportadas todas as noites, ou cerca de 270 mil itens por aeronave, em média.

Apesar da decisão doméstica, a Deutsche Post ainda dependerá do transporte aéreo para as correspondências que vão para o exterior e serão transportadas no porão de voos regulares de passageiros.

A lei postal da Alemanha exige que pelo menos 80% das cartas postadas sejam entregues no dia útil seguinte e 95% no segundo dia útil, o que torna essencial o transporte aéreo de cartas. Agora, no entanto, o governo alemão tem planos de flexibilizar a regra.

Acompanhe tudo sobre:Energia renovávelAviaçãoEmissões de CO2Alemanha

Mais de ESG

"Se o mercúrio gerado na Amazônia está chegando ao Ártico, está conseguindo chegar em todo Brasil"

Meta do Acordo de Paris pode ser cumprida se mundo chegar ao net zero, diz estudo da BloombergNEF

Consumidores da classe C respondem por 45% dos pedidos de financiamento de painéis solares

Pesquisadores encontram microplásticos em testículos humanos e de cachorros

Mais na Exame