ESG

Mestrado em Comunicação na FGV tem bolsas integrais para profissionais do terceiro setor

O mestrado profissional em Comunicação Digital e Cultura de Dados é uma parceria entre FGV ECMI, Aberje e Fundação Itaú, que disponibiliza 25 bolsas de estudos integrais

"Profissionais com experiência em ESG são muito disputados pelo mercado", diz especialista (Freepik)

"Profissionais com experiência em ESG são muito disputados pelo mercado", diz especialista (Freepik)

Marina Filippe
Marina Filippe

Repórter de ESG

Publicado em 14 de maio de 2024 às 09h50.

Última atualização em 15 de maio de 2024 às 13h24.

A Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getulio Vargas (FGV ECMI) acaba de lançar o seu curso de mestrado profissional em Comunicação Digital e Cultura de Dados. A novidade conta com a disponibilização de 25 bolsas de estudos integrais para profissionais do Terceiro Setor, oferecidas pela Fundação Itaú, e uma parceria com a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje). 

A edição de 2024 será preferencialmente formada por pessoas que atuam em institutos, fundações e organizações da sociedade civil, além de candidatos que atuam diretamente com comunicação em organizações governamentais as áreas de ESG, responsabilidade e sustentabilidade social de empresas privadas.

De acordo com os organizadores, o objetivo do mestrado, que tem previsão de início no segundo semestre deste ano, é formar profissionais para atuar nas diferentes áreas da comunicação organizacional e promover inovação na cultura de dados das organizações.

“O impacto da Inteligência Artificial, por exemplo, é um dos desafios. Uma inovação muito potente e que pode revolucionar, mas que, em mãos erradas, tem consequências nefastas para a sociedade e o mercado de trabalho. A gente já vem observando isso com o aumento de notícias falsas e manipulação de imagens. Precisamos de profissionais preparados para esse futuro em que o digital vai penetrar ainda mais nosso dia a dia", diz Marco Ruediger, diretor da FGV ECMI. 

Impacto social para o terceiro setor 

A Fundação Itaú, em parceria com a FGV, busca incentivar e promover o desenvolvimento de profissionais do Terceiro Setor, entre outros, para atender às urgências do Brasil contemporâneo e gerar impacto social. É com esse objetivo que a instituição vai oferecer 25 bolsas integrais para candidatos dessa área:

“Queremos que esse conhecimento, tão necessário quanto atual, que é o da Comunicação Digital, já chegue em profissionais que atuam diretamente com os desafios sociais, ambientais, econômicos e culturais da sociedade. Sabemos que a formação importa em qualquer setor, mas direcioná-los, já nessa primeira turma, para essas instituições é fundamental”, afirma Eduardo Saron, presidente da Fundação Itaú.

A iniciativa visa fortalecer o setor de comunicação organizacional e contribuir para a formação e o desenvolvimento de carreira aos profissionais do Terceiro Setor. "É uma ação que aproxima os cientistas das narrativas, além de fortalecer a causa da comunicação para o bem comum e para a promoção do diálogo", diz Paulo Nassar, presidente da Aberje e professor-titular da USP, onde é coordenador do Grupo de Estudos de Novas Narrativas (GENN-USP).

Sobre o curso

A duração do curso é de 18 meses, dividido em seis trimestres letivos. Por ser realizado em tempo parcial, o mestrado não exige dedicação exclusiva e pode ser conciliado com a carreira profissional dos discentes. O curso é voltado para gestores e comunicadores, sobretudo aqueles que já atuam ou pretendem atuar na área de comunicação digital, e têm como foco a transformação na comunicação e na cultura de dados das organizações.

A edição de 2024 será preferencialmente formada por profissionais do terceiro setor (Institutos, Fundações e Organizações da Sociedade Civil), além de candidatos que atuem diretamente com comunicação em organizações governamentais ou nas áreas de ESG, responsabilidade/sustentabilidade social de empresas privadas.

As inscrições estão abertas até dia 20 de maio.

Acompanhe tudo sobre:FGV - Fundação Getúlio VargasItaúBolsas de estudoComunicação

Mais de ESG

Summit ESG: diversidade ainda exclui os 50+

Summit ESG: como incorporar a diversidade e a inclusão nos negócios

Mulheres na tecnologia e o papel corporativo na equidade de oportunidades

Summit ESG: inclusão produtiva nas favelas como chave para desenvolvimento socioeconômico do país

Mais na Exame