Mercado Livre: Brasil lidera frota de veículos elétricos na América Latina

No ano passado, o Mercado Livre também emitiu um título verde de US$ 400 milhões, recursos que serão utilizados em cinco anos para impulsionar projetos de redução da pegada ambiental, inclusão financeira e desenvolvimento social
 (Leandro Fonseca/Exame)
(Leandro Fonseca/Exame)
M
Marina Filippe

Publicado em 23/06/2022 às 20:06.

Última atualização em 23/06/2022 às 20:16.

Ao registrar US$ 2,1 bilhões em receita líquida em 2021, uma expansão de 60,5%, sendo 53% do total gerado no Brasil, o Mercado Livre também acelerou os processos de sustentabilidade.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

No ano passado, a empresa emitiu um título verde de US$ 400 milhões, recursos que serão utilizados em cinco anos para impulsionar projetos de redução da pegada ambiental, inclusão financeira e desenvolvimento social.

“Entendemos que precisamos integrar essas frentes pela natureza do nosso negócio. Desde o início da pandemia, por exemplo, ajudamos mais de 145 mil vendedores a abrir uma empresa regularizada e, após um ano de formalização, as vendas desses empreendedores aumentam 140%, em média. Nesse cenário, ter sustentabilidade é essencial”, diz Pedro Arnt, diretor financeiro do Mercado Livre na América Latina.

A empresa tem melhorado o desempenho de eficiência energética na operação. A sede em Osasco, na Grande São Paulo, já funciona totalmente com energia renovável desde 2020: 20% de seu consumo é suprido por mais de 1,8 mil painéis solares; e os 80% restantes, por meio da aquisição de energia de fontes limpas. E, em 2021, três dos centros de distribuição no Brasil passaram a operar com energia renovável, de origem brasileira e de fonte eólica, solar, de pequenas hidrelétricas ou de biomassa de cana-de-açúcar.

Em relação às embalagens utilizadas pelo Mercado Livre, 100% são recicláveis, reutilizáveis e/ou compostáveis. No caso das caixas, todas têm certificação FSC e, no mínimo, 30% de material reciclado em sua composição.

Também pensando nas emissões de gases de efeito estufa, em 2022 a empresa deve operar com quase 550 veículos elétricos na América Latina, sendo 271 no Brasil — cerca de 60 já em operação —, além de 59 carretas movidas a GNV. Desde 2020, a frota cresceu 531%.