ESG

Mars quer garantir o chocolate de quem nasceu em 2020 — e a ração dos pets

Ações e programas de agricultura regenerativa com foco no impacto social são estratégias adotadas para garantir um bom solo para o plantio do cacau, dos grãos e a qualidade de vida dos produtores

Nataly Barros, gerente regional de sustentabilidade na Mars: "Trabalhamos com os produtores a ideia de que o que fizermos com o solo hoje vai impactar diretamente as gerações futuras" (Cássio Castiñeiras/Divulgação)

Nataly Barros, gerente regional de sustentabilidade na Mars: "Trabalhamos com os produtores a ideia de que o que fizermos com o solo hoje vai impactar diretamente as gerações futuras" (Cássio Castiñeiras/Divulgação)

Letícia Ozório
Letícia Ozório

Repórter de ESG

Publicado em 12 de abril de 2024 às 14h33.

Última atualização em 16 de abril de 2024 às 13h50.

A Mars, empresa americana de alimentos, tem lançado ações para garantir um futuro melhor para a próxima geração, que pode sofrer ainda mais com os efeitos das mudanças climáticas.

Desde 2018, a companhia atua com o Plano Sustentável em uma Geração, que busca uma melhora na qualidade de vida e a promoção de bem-estar entre os nascidos entre 2020 e 2040 — por volta de um milhão de pessoas. A campanha atinge todos os pilares do negócio internacional, que atua na produção de alimentos para pets e de chocolates.

A iniciativa envolve ações pela melhoria climática desde o campo até a produção final nas fábricas. De acordo com Nataly Barros, gerente regional de sustentabilidade da Mars, o projeto envolve áreas além do que a companhia já mapeava. “Avaliamos as áreas com as maiores possibilidades de fazer diferença. O trabalho nas fábricas e a qualidade dos alimentos são muito importantes, mas estão no nosso controle diário. Adicionar esses projetos é ir além das nossas portas: não só nos fornecedores diretos, mas chegar também ao produtor dos grãos que utilizamos”, conta.

Na América Latina, a empresa abriu espaço para outra divisão do projeto, chamada Solo das Próximas Gerações, que acompanha e capacita os agricultores de matérias-primas para garantir uma agricultura regenerativa e com menos impacto ambiental em sua produção.

O Brasil é um dos principais atores para o projeto, já que o agronegócio é uma parcela significativa do produto interno bruto nacional. “A ideia é trabalhar com os produtores a ideia de que o que fizermos com o solo hoje vai impactar diretamente as gerações que estão vindo. Além disso, uma terra fértil e que produz com qualidade também gera mais renda para quem está envolvido”, explica Barros.

O projeto conta com a parceria da Amaggi, fornecedora de grãos e processadora de insumos para a Mars, além da Produzindo Certo, consultoria agrosustentável. Desde o começo de 2023, as empresas têm feito visitas a produtores agrícolas parceiros da Mars para identificar os erros e acertos em sua produção, com foco na área ambiental e nos direitos humanos.

A Produzindo Certo ficou responsável por criar planos de ação para uma produção equilibrada social e ambientalmente. A consultoria também recomenda práticas agrícolas que podem beneficiar economicamente quem trabalha no campo, garantindo usos menos agressivos do solo — principais responsáveis pela emissão de gases causadores do efeito estufa no Brasil.

A capacitação está em fase piloto, atingindo 3 produtores que, juntos, possuem mais de 10 mil hectares e produzem 40 mil toneladas por ano. “Essa capacitação piloto garante um contato mais individualizado com cada um dos agricultores. Para o segundo ano do projeto, que se inicia agora, buscamos revisar os resultados e garantir o aprendizado deles nas melhores técnicas”, afirma a gerente.

Os produtores têm se mostrado dispostos a conhecer as novas técnicas que focam no cuidado ambiental, segundo Nataly. “As pessoas no campo estão muito mais abertas a novas possibilidades do que esperávamos. Por isso estamos reforçando as ações no segundo ano do projeto”.

Cacau responsável

O cacau que vira chocolate nas marcas M&M’s, Snickers e Twix também é parte importante do Plano para a Próxima Geração. A Mars pretende garantir que todo o cacau obtido seja de fontes seguras e rastreáveis até 2025. De acordo com a empresa, a ação busca frear o desmatamento na cadeia de produção, além de garantir que o cacau comprado seja cultivado dentro dos limites da fazenda e não em áreas protegidas.

A empresa atua na rastreabilidade desde 2019, e atualmente já rastreia o plantio de 350 mil fazendas parceiras em 13 países. Acompanhar mais proximamente o plantio realizado também ajuda a impedir violações de direitos humanos, como o trabalho forçado ou infantil.

Ao redor do mundo, a Mars já capacitou quase 180 mil agricultores sobre técnicas de agricultura produtiva aliada ao meio ambiente e sociedade.

Acompanhe tudo sobre:ChocolateAnimaisAgronegócioSustentabilidade

Mais de ESG

Fórum global de favela desafia a lógica e valoriza a diversidade

Dia das Mães: apesar dos avanços, maternidade ainda é empecilho na carreira

Elas no front do Rio Grande do Sul

Precificação e a responsabilidade socioambiental do crédito de carbono

Mais na Exame