Acompanhe:

Grandes empresas buscam criar marco regulatório para o mercado de carbono

Evento promovido pelo CEBDS discute a criação de uma lei para viabilizar a precificação do carbono e propostas para um mercado doméstico compulsório

Modo escuro

Continua após a publicidade
Governo espera que o programa Floresta+ Carbono movimente 1 bilhão de reais por ano. Os maiores beneficiados serão proprietários de terras virgens, que conservam a maior parte da floresta nativa (Kadijah Suleiman/Embrapa Gado do MS/Divulgação)

Governo espera que o programa Floresta+ Carbono movimente 1 bilhão de reais por ano. Os maiores beneficiados serão proprietários de terras virgens, que conservam a maior parte da floresta nativa (Kadijah Suleiman/Embrapa Gado do MS/Divulgação)

R
Rodrigo Caetano

Publicado em 26 de outubro de 2020 às, 06h00.

Última atualização em 26 de outubro de 2020 às, 08h37.

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) realiza, nesta segunda-feira, um webinar sobre o marco regulatório para o mercado de carbono no Brasil. O objetivo é debater maneiras de viabilizar a precificação de carbono e criar um mercado doméstico compulsório no País. 

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research 

“O carbono será a nova commodity global em breve e o Brasil tem vantagens competitivas importantes nesse mercado, uma vez que a Amazônia representa um ‘pré-sal’ de carbono”, afirma Marina Grossi, presidente do CEBDS. “Precisamos nos organizar desde já para garantir uma liderança no mercado global de carbono, que poderá se concretizar a partir da COP26 (Conferência do Clima da ONU).”

Por suas riquezas naturais, o Brasil é considerado uma das maiores potências mundiais em carbono. O governo, no entanto, ainda não implementou um mercado regulado, como fizeram a União Europeia, a China e alguns estados americanos, como a Califórnia. O Acordo de Paris também prevê a criação de um mercado global, entre países, mas, para isso, é preciso regulamentar o artigo 6 do acordo. Na última COP, no entanto, o Brasil foi considerado o maior vilão da conferência, por assumir uma posição dissonante em relação aos principais blocos econômicos.  

O Brasil defende que créditos gerados por esforços anteriores à regulamentação sejam válidos. Já os países desenvolvidos, em especial os da União Europeia, são contra. Eles alegam que boa parte desses créditos não se refere a esforços legítimos de redução de emissões e que há, ainda, a possibilidade de que um país receba duas vezes pelo mesmo esforço, em virtude da dificuldade de aferir os resultados anteriores.

Em outra frente, o Ministério do Meio Ambiente criou um programa para incentivar a exportação de carbono no mercado não regulado. Diferentemente dos mercados estabelecidos pela Europa e pela China, esse modelo é voluntário e utilizado por empresas que firmaram compromissos para reduzir as emissões. É o caso, por exemplo, da maioria das grandes companhias de tecnologia, como Apple, Microsoft e Amazon

Batizado de Floresta+ Carbono, o projeto tem o objetivo de “promover um ambiente regulatório favorável ao mercado de créditos de carbono”, explica Joaquim Leite, secretário da Amazônia e florestas do ministério. A iniciativa visa incentivar a geração de créditos pela preservação de florestas nativas. “Queremos transformar o operador de motosserra em guarda florestal”, afirmou Leite à EXAME. “Ele terá um incentivo para manter a floresta em pé”. 

A expectativa é que o Floresta+ Carbono movimente 1 bilhão de reais por ano. Os maiores beneficiados serão proprietários de terras virgens, que conservam a maior parte da floresta nativa. Os donos dessas propriedades podem vender os créditos gerados na captura do carbono pela floresta a empresas que queiram compensar o carbono emitido. Leite citou como exemplo as grandes companhias de tecnologia, como Apple e Microsoft, e as grandes petroleiras. 

As melhores oportunidades podem estar nas empresas que fazem a diferença no mundo. Veja como com a EXAME Research 

Últimas Notícias

Ver mais
Economia circular: Danone busca reduzir embalagens de origem fóssil pela metade
ESG

Economia circular: Danone busca reduzir embalagens de origem fóssil pela metade

Há uma semana

Shell enfraquece meta de redução de emissões de carbono para 2030
ESG

Shell enfraquece meta de redução de emissões de carbono para 2030

Há um mês

Como investimento em ESG fez a TIM conseguir nota máxima em lista mundial de transparência ambiental
Um conteúdo Bússola

Como investimento em ESG fez a TIM conseguir nota máxima em lista mundial de transparência ambiental

Há 2 meses

Olha o biogás: Ultragaz inicia distribuição de GLP feito de óleo de soja
ESG

Olha o biogás: Ultragaz inicia distribuição de GLP feito de óleo de soja

Há 3 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais